Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



O "Jornalismo de Causas" é Jornalismo? A pergunta é colocada por José Pacheco Pereira, na edição do Público de 18 de Abril último. Depois de Timor ou do caso do urânio empobrecido, temos agora, no plano externo, o alegado "massacre de Jenin" ou "a França contra Le Pen" e, no plano interno, o alinhamento com os renovadores do PCP. Uma explicação proposta pelo autor: "Há muitas razões para explicar o domínio do 'jornalismo de causas' em Portugal. Ele é favorecido pela relativa homogeneidade política das redacções - muito mais à esquerda do que a sociedade portuguesa -, por uma estrutura de controlo de qualidade, de "edição", muito frágil ou inexistente, pela falta de cultura geral necessária para escrever sobre política, falta de noções de história e de filosofia política básicas. Mas é acima de tudo justificado pela vontade, que se verifica ser muito mais motivadora do que a de se ser, pura e simplesmente, bom jornalista, de substituir as regras do jornalismo pela intervenção política". Margarida Santos Lopes responde no mesmo jornal, a 23 de Abril: "Sim, existe um jornalismo de causas! " e ela própria se assume como jornalista de causas. "Em duas décadas de profissão, escolhi sempre estar no campo do oprimido contra o opressor. E mudar de campo quando o oprimido se torna opressor. Não sou única". Após perguntar se Pacheco Pereira "alguma vez visitou a Cisjordânia e a Faixa de Gaza", contrapõe: "Eu estive lá sete vezes, antes e depois dos Acordos de Oslo de 1993. Eu vi com os meus próprios olhos as privações e as humilhações diárias a que os palestinianos são sujeitos há 35 anos por uma potência colonial que apenas lhes oferece "bantustões independentes" e não um Estado viável. Pode-se contestar formas de resistir à ocupação, como as repugnantes bombas-humanas que apenas conduzem ao que o diário libanês "An-Nahar" descreveu como "suicídio colectivo de um povo". Mas não se pode negar o direito de resistir". Pacheco Pereira volta à carga na edição de 25 de Abril: "Eu gostaria que os leitores e espectadores, em vez de "causas", tivessem acesso a factos, que, esses sim, são relevantes para se perceber o que se passa. Os exemplos das omissões deliberadas, necessárias para não prejudicarem a "causa", são tantos que se os conhecêssemos com o relevo que mereceriam a nossa visão do problema não seria a mesma". E dá um exemplo: "O problema do "jornalismo de causas" é, como tenho insistido, que não é jornalismo, é política. É a diferença entre o "Le Monde" e o "Le Monde Diplomatique" - o primeiro é um jornal, o segundo uma revista política da esquerda antiglobalizadora. O título é o mesmo, a função completamente diferente - convinha não confundir". O debate está aberto.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Duas sugestões das Media News do Jim Romenesko. Ma...
» Encontrei mais um texto que fala sobre a relação e...
» A propósito da relação entre o fenómeno dos weblog...
» O diário O Comércio do Porto (o site existe, já se...
» Quem já conhecia (e devorava) o Eito Fora, sabe qu...
» Mais uma informação: ontem, dia 18, ocorreu, em Li...
» Duas notícias do E-Media Tidibits. A primeira para...
» Gostaria de dar notícia de alguns trabalhos portug...
» Mais um texto sobre weblogs que vale a pena ser li...
» Este texto já tem alguns dias mas só hoje o pude l...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates