Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Portugal, os media e o "índice de integridade pública" O Índice de Integridade Pública coloca o nosso país num honroso 2º lugar, entre 25 países de vários continentes analisados pelo "Center of Public Integrity - Investigative Journalism in the Public Interest". O Contrafactos e Argumentos, que dá notícia do facto, interroga: "Portugal positivo?". Não pude analisar toda a vasta e interessante informação disponibilizada sobre o nosso país, com base no contributo do jornalista e professor Rui Araújo. Considerando, porém, apenas o item "Civil Society, Public Information & Media", e em especial a subcategoria "Liberdade dos media", pareceu-me que algumas respostas assentam em pressupostos que podem ser questionáveis. Assim, por exemplo, se eu digo que, no ano passado, nenhum jornalista foi maltratado, morto ou preso por investigar assuntos relacionados com corrupção, terei de responder a uma outra questão prévia, para dar sentido e contexto às respostas: houve jornalistas a investigar assuntos de corrupção? Quantos? Em que meios e com que recursos e condições? Durante quanto tempo? Em todo o caso, este tipo de questões não invalida o importante trabalho feito e apresentado. Deixo aqui um comentário/resposta à pergunta: "In practice, the government does not encourage self-censorship of corruption-related stories":

"Although the independence of the media is guaranteed by the Constitution and special regulatory law, in practice, members of the government can put pressure on certain journalists or directors of newspapers to delay the exposure of a corruption-related story. The degree of promiscuity between the political sphere and the media is considerable. Newspapers and television channels recruit the services of a series of leading political figures on a regular basis as political commentators. On the other hand, certain well-known journalists have entered politics as MPs or PR advisers to Ministers and Secretaries of State. At the local level, the degree of independence of the media is null. Most newspapers survive on public aid or advertisements commissioned by the mayor or the local government authority. Having said this, the capacity of members of government to actually encourage or impose self-censorship of corruption-related stories is limited, since the exposure of corruption enters the realm of political struggle. The moralization of political/public life is also about politics. Besides, the exposure of corruption affairs sells tabloids. Hence, there is mass media competition for this type of information. A well-connected politician in media circles may be able to delay exposure, but it is almost impossible for him or her to mute or divert the media's intention and interest in covering the story."


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Aceitam-se comentários
» "Como se faz um jornal online" Este é o nome e ...
» spot
» Dificuldades de acesso Ontem, durante praticame...
» Blogues e jornalismo online Encontram-se dispon...
» Bill Gates, os blogues e os novos cenários tecnoló...
» Blogger apoiado por leitores em reportagem a parti...
» Mais importante do que nunca "We the people, we...
» Maioria dos jornalistas dos EUA pouco satisfeitos ...
» Inscrições abertas para mestrados na UM - Informa...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates