Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



O "spam" ou lixo de correio electrónico está a converter-se num grave problema que pode vir a afectar o próprio uso do e-mail como modo de comunicação. Não sei se têm a mesma percepção do problema, mas a grande maioria das muitas dezenas de mensagens que diariamente recebo não passam de lixo, que, pelo menos à primeira vista, não tem pátria de origem. Há indicações que sugerem que o problema é muito mais norte-americano do que europeu. Não sei se é verdade. O que sei é que os filtros parecem ineficazes para os vendedores da banha de cobra, de graus de mestrado e doutoramento, de ervas medicinais, receitas miraculosas para estender e alargar o pénis, raparigas russas que aguardam o nosso telefonema e o infalível viagra com receita médica. O que está aqui em causa não é meramente um problema de incómodo ou de perturbação da actividade de cada pessoa; trata-se de um abuso e de um ataque à privacidade. Como tal a pratica do spam deve ser combatida. O recurso aos bloqueadores e aos filtros parece ser pouco eficaz, até porque quem invade os correios electrónicos por esta via recorre a processos cada vez mais sofisticados. Por exemplo: a armadilha do hyperlink para não voltar a receber correio ("opting-out") - em muitos casos, o endereço não existe e, noutros, o acto de clicar fornece (ou reforça) o conhecimento do endereço que, muitas vezes, é fabricado por processos informáticos automatizados. Pelo que tenho lido, a posição de muitos governos e organizações internacionais, União Europeia incluída, é a defesa do "opting-in", que exige algum tipo de manifestação expressa de vontade do destinatário de que está interessado (ou, pelo menos, não se opõe) à recepção de determinado tipo de marketing por e-mail. Mas isso, como parece evidente, não basta. O recurso a métodos de acção terroristas surge na mente de alguns. Na semana que acaba de terminar, foram motivo de chacota os comentários de um senador durante as audições sobre violação de direitos de autor na comissão de justiça do Senado dos EUA, quando advogou a destruição remota dos computadores dos prevaricadores (pelos vistos o próprio senador é também um músico com discos no mercado). Haverá caminhos eficazes que estejam a ser desenhados ou postos em prática? Salvo notícias esporádicas, não vejo que este assunto preocupe muita gente, nomeadamente dos media.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Ainda no NYT, de novo a relação dos blogs com o mu...
» Judite de Sousa vem hoje justificar-se e justifica...
» Ainda sobre a RTP: não é edificante o teor do epis...
» Uma notícia do Frankfurter Allgemeine Zeitung refe...
» O Senado dos Estados Unidos iniciou ontem um proce...
» A organização norte-americana FAIR - Fairness & Ac...
» Leio no "Cidadão Livre", e dele cito: "Numa pesq...
» Tendo apreciado queixas de dezoito Câmaras Municip...
» Sugiro a leitura do texto "Newspapers Should Open ...
» O escândalo desencadeado pelo caso Blair, ex-jorna...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates