Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Ecos meta-jornalísticos da revelação da fonte do caso Watergate Sabe-se quem é o "Garganta Funda". Mas o estudo deste caso, com a perspectiva que dão 30 anos de mudanças alucinantes nas relações internacionais, nos estilos de vida, nos media e no jornalismo, continuará a alimentar as páginas dos jornais e revistas e a investigação académica. De alguns textos dos últimos dias, ficam aqui alguns respigos: "Would The Washington Post break Watergate if it happened today?" Simon Houpt, Is the Post's Watergate glory all in its past?, Globe and Mail, 4 de Junho "Felt's story reaffirms the ability of smart and dogged reporters, courageous editors and owners, and truly informed yet anonymous sources to help get information before the public that is vital to a democracy's functioning". Michael Getler, 'Deep Throat': An Omb's Observations, Washington Post, 5 de Junho Sobre o filme de Pakula ?Os homens do presidente?: ?It shows two young seekers?newspaper reporters handsome enough to be Robert Redford, cool enough to be Dustin Hoffman, guided by a wizard in a cave (Deep Throat in a garage)?toppling the Evil Empire (Richard Nixon's White House). The filmmaker, the late Alan Pakula, deftly used lighting to enhance the feel of a Manichaean struggle. The newsroom where the reporters work is always bright, open, a place of truth. Almost everything else is dark, shadowy?nests of liars and prevaricators. How long ago, and how romantic, the story seems. Reporters are not exactly heroes these days. Anonymous sources like Deep Throat are in disrepute, and many large news organizations, including NEWSWEEK, are under fire for their mistakes. What happened to the days when reporters were searching for truth, instead of gabbling on talk shows?? Newsweek, A Long Shadow, 13 de Junho "Was Watergate bad for journalism? On its face, the question seems absurd. The drama of two young metro reporters for The Washington Post helping to topple a corrupt president cast a golden glow over the news business in the mid-1970s. Newspapermen became cinematic heroes, determined diggers who advanced the cause of truth by meeting shadowy sources in parking garages, and journalism schools were flooded with aspiring sleuths and crusaders. But the media's reputation since then has sunk like a stone, and one reason is that some in the next generation of reporters pumped up many modest flaps into scandals ending in 'gate', sometimes using anonymous sources who turned out to be less than reliable. Journalism became a more confrontational, even prosecutorial business, with some of its practitioners automatically assuming that politicians in the post-Nixon era must be lying, dissembling or covering up. Howard Kurtz, ?Deep Throat and Shallow Journalism?. Washington Post, 6 de Junho


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Exposições
» Ombudsman do NYT adopta novo estilo Na sua primei...
» Augusto Santos Silva no Clube de Jornalistas
» Algumas notas soltas dos últimos dias * O texto d...
» Sobre a aversão ao risco nos jornais e uma propost...
» EPIC Lembram-se do EPIC 2014? Pois acaba de sair ...
» Vinhetas nos blogues O diário El País, que ontem ...
» Dez anos de jornalismo online - Jornadas transmiti...
» CNN: 25 anos de uma televisão global de notícias ...
» As escolhas de Vitorino

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates