Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Recado para o jornalismo de referência


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Procurando controlar a revolta que é inevitável sentir-se num caso destes, eu limitava-me a sugerir ao Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas que enviasse, por carta registada, à jornalista do Diário de Notícias Maria José Margarido, uma cópia do Código Deontológico, para ela perceber o que lá diz no ponto 7: "O jornalista não deve identificar, directa ou indirectamente, as vítimas de crimes sexuais e os delinquentes menores de idade, assim como deve proibir-se de humilhar as pessoas ou perturbar a sua dor". Mas, sobretudo, essa carta registada deveria ser enviada à Direcção do DN, que volta a pespegar hoje, na primeira página, com o nome da bebé de Viseu vítima de maus tratos sexuais. É suposto ser também para isto que existe a Entidade Reguladora da Comunicação Social. Sobretudo para isto, porque, depois de tanta violação dos direitos mais elementares de uma pessoa que não fala (que não se pode defender), não é nem moral nem legalmente aceitável este alheamento e esta contumácia (aqui, aqui e aqui). E como se isto não bastasse, as rádios e TV que têm o hábito de seguir acriticamente as pisadas dos jornais, amplificam - e tornam-se, portanto, corresponsáveis - (d)os erros dos outros. Foi o caso, pelo menos, da jornalista da TSF que apresentou as notícias às 7 horas. Actualização: Judite de Sousa e a RTP1 vieram, no Telejornal de hoje, prestar mais esse serviço público de lembrar a todos os portugueses eventualmente esquecidos o nome da menina de Viseu. À atenção de J. M. Paquete de Oliveira.


9 resposta(s) para “Recado para o jornalismo de referência”

  1. Anonymous filinto 

    N?o servindo de desculpa, mas revelando estranheza com este post, recordo que todas as not?cias divulgadas na altura do "caso" (d?vido que tenham existido excep??es) citavam o nome da beb?. Tal como aconteceu noutros casos. ? errado e obrigado por nos alertar a todos, e n?o apenas ao DN.

  2. Anonymous Anónimo 

    Caro Filinto,
    sei muito bem que todos erramos e dificilmente deixaremos de o fazer - no jornalismo, no ensino, em tudo. Mas uma coisa e aceitar e reconhecer isso, outra e ficar calado perante a repeticao do erro. Mais: perante a exibicao do erro. Mais ainda: perante erros que envolvem uma crianca que nao se pode defender e que pelos vistos nao tem muito quem a defenda.
    Por isso nao tem que estranhar o post que escrevi. Quando o assunto surgiu, em meados de Dezembro passado, o nome da bebe foi difundido de tal modo que ainda hoje muitos cidadaos minimamente atentos se lembram de quem se trata, se lhes falarem nesse nome. Mas a questao deontologica foi levantada e a generalidade dos media corrigiu o passo. Em Marco ?ltimo, o DN (assim como a Not?cias Magazine)voltou a tratar o assunto e, de novo, escancarou o nome da crianca. Nessa altura escrevi uma nota neste blogue (cf. "Redaccao nao respeita direitos de uma crianca" - http://webjornal.blogspot.com/2006/03/redaco-no-respeita-os-direitos-de-uma.html)para manifestar indignacao com este voltar atras.
    Acha que, apos tudo o que se passou nao e grave o modo como o assunto e hoje tratado no mesmo jornal?
    E acha normal que uma jornalista experimentada como ? aquela que apresentou hoje as noticias nos servi?os noticiosos matutinos da TSF tenha pespegado o nome da beb?, ampliando o erro para todo o auditorio daquela estacao de radio?

  3. Blogger Manuel Pinto 

    O comentario anterior saiu como de autor anonimo mas e da minha autoria.
    Manuel Pinto

  4. Anonymous filinto 

    Desconhecia esse historial. Questionava o tom, n?o o conte?do do post, e agora percebi. Reitero o obrigado.

  5. Anonymous francisco 

    Fico admirado como se pode questionar, neste caso, o tom ! Muito brando. Num caso destes (basico) o tom devia ser muito mais duro.
    Verifico que o mundo da comunicacao social portuguesa continua muito melindroso e nao tem autoridade alguma para o ser. Ha uma terrivel falta de humildade que nos conduziu ate aqui.
    Prof. Manuel Pinto ... e este problema dos acentos, quando se resolve
    Ah ! E nao desista. Com este ou outro tom.

  6. Anonymous francisco 

    Fico admirado como se pode questionar, neste caso, o tom ! Muito brando. Num caso destes (basico) o tom devia ser muito mais duro.
    Verifico que o mundo da comunicacao social portuguesa continua muito melindroso e nao tem autoridade alguma para o ser. Ha uma terrivel falta de humildade que nos conduziu ate aqui.
    Prof. Manuel Pinto ... e este problema dos acentos, quando se resolve
    Ah ! E nao desista. Com este ou outro tom.

  7. Anonymous filinto 

    tal como aconteceu h? meses atr?s, acontece hoje. todos os jornais escrevem o nome da crian?a, menos um, felizmente atento ao que se escreve neste blogue (mesmo que distraido com o c?digo).
    caro francisco, acho que n?o entendeu, ou n?o quis entender.
    nota: nada tenho a ver com o DN.

  8. Anonymous francisco 

    Penso que entendi perfeitamente. Da? o meu coment?rio. Junta-se agora ao grupo o P?blico e a RTP (atrav?s de Judite Sousa, que deu ou d? aulas num curso de Comunica??o Social). A CS portuguesa (quem l? decide e tem responsabilidades) ? cada vez mais um pequeno estado totalit?rio dentro de um estado levemente democr?tico - aquele onde nos podemos exprimir sem sermos presos, mas apenas isso. De facto, hoje j? n?o ? preciso prender ningu?m. ? muito mais adequado soltar no vazio aqueles que t?m opini?es contr?rias.

  9. Anonymous filinto 

    n?o vou discordar do francisco, apenas gostaria que percebesse que queria dizer que muitas vezes o mais b?sico ? onde se falha, falo por mim e por parte dos jornalistas que conhe?o (e falo de jornalismo como poderia falar de futebol, de pol?cia, de angariar de p?blicos de concertos, etc.). o que est? em debate di?rio - ouvir a outra parte, ouvir o visado, chekar 2 e 3 vezes, ou noutros campos meter um defesa no segundo poste num canto, ou estar preparado para uma coluna de meliantes que pode vir por tr?s ou perceber quem pode fazer a ponte entre o que ? bom e o que chama muita gente ao concerto - o que est? em debate di?rio ? muito mais f?cil de gerir e sobre o qual ter uma posi??o do que algo que - felizmente por for?a das circunst?ncias - n?o ? not?cia todos os dias, como o caso de viol?ncia sobre uma beb?. n?o digo que seja menos errado por isso - fiz quest?o de por no meu jornal (e entre os meus amigos) toda a gente a ler o post do Manuel Pinto - apenas que ? preciso entender tamb?m. e ainda para mais, volto ao meu primeiro coment?rio, porque me pareceu que o erro tinha sido generalizado e n?o apenas do DN.

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Cresce a leitura de livros
» Cortina de fumo?
» Conversas sobre Ciberjornalismo
» Um novo Urbi@Orbi
» "Ecrãs em Mudança", novo livro de J. Carlos Abrant...
» Universidade do Minho lança livro sobre a cobertur...
» Encontro de Provedores
» Um jornalismo sentado
» Público consumidor feminino e leitor de jornais
» Um livro de grandes reportagens

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates