Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



1. Que queremos dizer com “Educação para os Media?” A primeira questão que pretendo abordar refere-se ao conceito de Educação para os Media. Todos concordaremos que não se trata de um mero problema terminológico; encontramo-nos também diante de um problema conceptual. Que queremos dizer quando dizemos Educação para os Media? A experiência própria e alheia mostra que assim não é. Poderíamos enunciar pelo menos três grandes eixos que traduzem outras tantas concepções e práticas: 1) a educação com ou pelos media – a que se poderia chamar o “grau zero” da Educação para os Media, uma vez que não os tomam como assunto de preocupação, mas antes como instrumento e recurso pedagógico-didáctico; 2) a alfabetização mediática – entendida como um conjunto de competências bem definidas e avaliáveis tomadas como necessárias para aceder e usar de forma eficiente os media mais clássicos ou mais recentes (von Feilitzen, 2002); 3) educação para a comunicação e a participação - que coloca a ênfase nos processos individuais e sociais de capacitação e de compreensão do mundo próximo e distante, em ordem à expressão e intervenção nesse mesmo mundo. Este terceiro sentido pressupõe o anterior, mas rasga-lhe um horizonte mais amplo e permite interrogar e re-contextualizar o conceito internacionalmente consagrado (e, de algum modo, tornado óbvio) de Educação para os Media. Na verdade, pode perguntar-se se é relevante ou se faz sentido educar para os media (Gonnet, 2002: 11). É evidente que quando assim nos exprimimos estamos a referir sobretudo a formação para uma compreensão e utilização crítica dos media. Mas a designação pode expressar ou induzir enviesamentos, porquanto sugere que o centro de gravidade da tarefa educativa reside nos próprios media. Ora, do meu ponto de vista, o mediocentrismo assim enunciado constitui uma fonte de equívocos, ao confundir a ordem das mediações com a ordem das finalidades. Por outras palavras: não é para os media que vale a pena educar, mas para a comunicação. E é nesse processo que faz sentido abordar e compreender as formas mediatizadas de comunicação.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» "Luzes no labirinto audiovisual" Começa hoje em...
» Cidadãos-Jornalistas E se um site noticioso ofe...
» Saramago: "Para que serve a comunicação?" O sit...
» Ainda Schneidermann O Observatório da Imprensa ...
» Como a droga e o terrorismo «La televisión basu...
» Outros tempos Uma exposição de motivos de ilus...
» “Portugal cai 21 lugares na escala da liberdade de...
» Liberdade, desde que... Sobre a reportagem na T...
» Universos das crianças Os resultados de um estu...
» Azul Eléctrico O Reflexos de Azul Eléctrico emi...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates