Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Ainda Schneidermann O Observatório da Imprensa desta semana publica um conjunto de quatro peças sobre a demissão de Daniel Schneidermann como cronista de televisão do jornal Le Monde: - Uma entrevista com aquele profissional, feita por Leneide Duarte-Plon (Mídia de silêncios, empolgação e excessos ) e ainda, da mesma autora, o texto O pesadelo de Daniel Schneidermann; - um texto-editorial (Vexames no andar de cima de Alberto Dines; - e a transcrição da última coluna do provedor do leitor do jornal francês, Robert Solé, na qual este sistematiza as centenas de cartas de leitores, recebidas sobre o caso. Na entrevista, Schneidermann explica aquilo que critica na actual orientação editorial de Le Monde, que figura em "Le cauchemar médiatique": "Eu critico a maneira de fazer. Acho correcto fazer investigação, é a base do métier do jornalista buscar informações, a maior quantidade possível. É o fundamento do métier. Mas às vezes pode haver deslizes. Por exemplo, quando para justificar um título, o valor dado a uma informação, existe a tendência a inchar um pouco, acrescentar. Existem informações que poderiam ser dadas em um ou dois parágrafos, mas para criar um acontecimento decidem dar uma página inteira. É aí que estão os riscos dos deslizes, dos exageros, da informação esquentada. Outro excesso que critico é que, de facto, todos os jornalistas podem se enganar, mas quando a gente se engana se corrige dizendo "nós nos enganamos", como nos enganamos, por que nos enganamos. Mas o Le Monde muitas vezes esqueceu de fazer isso". Mais especificamente sobre o "pesadelo mediático": "O que chamo "pesadelo mediático" é uma característica da mídia de hoje, uma alternância de fases de omertà, de silêncio, de incómodo em relação a alguns problemas que não se aborda. Depois, quando eles explodem, vêm os excessos. A primeira fase do ciclo é o silêncio, o incômodo e da omertà; e, depois, esse das respostas, da empolgação, dos excessos, seja sobre a segurança, sobre as redes de pedofilia ou sobre a tele-realidade. Então, tem-se a impressão de que a mídia fala muito e diz muita besteira. No livro, tento compreender como funciona esse ciclo e por que a mídia cede a ele. É o conjunto que chamo de "pesadelo midiático". Na realidade é um pesadelo para os meios de comunicação que perdem a credibilidade; é um pesadelo para o leitor que não sabe mais em que pode acreditar."


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Como a droga e o terrorismo «La televisión basu...
» Outros tempos Uma exposição de motivos de ilus...
» “Portugal cai 21 lugares na escala da liberdade de...
» Liberdade, desde que... Sobre a reportagem na T...
» Universos das crianças Os resultados de um estu...
» Azul Eléctrico O Reflexos de Azul Eléctrico emi...
» Guerra e Pas ressuscitou ...e eu que não tinha ...
» URBI também em papel A Universidade da Beira In...
» Um desperdício Why computers have not saved the...
» "A pressão do dinheiro" A decisão do governo po...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates