Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Os media e o tempo da vida e da morte "O actual tempo mediático alterou o antigo tempo dramático da vida e da morte. Já não há um tempo para viver e um tempo para morrer, pois os tempos encurtaram-se e a sua espessura é mais fina do que uma folha de papel. (...) Não era assim antes do império do directo e do imediatismo noticioso. As agonias de grandes figuras históricas, como foi o caso de alguns papas antes deste, apareciam enquadradas no tempo do próprio acontecimento, sem a ansiedade febril da antecipação que é imposta pela nova e implacável velocidade dos media. O anúncio de uma morte iminente é já a confirmação dessa morte - "irreversível", como é sublinhado em todos os noticiários". Vicente Jorge Silva, DN, 3.4.2005 O frenético decreto da morte por antecipação foi assinado pelo louco mundo dos media, à escala global, de há 48 horas para cá. O funeral, encomendado pelo circo noticioso, desenrolou-se imparável, no inferno de onde esteve ausente qualquer espécie de pudor que a agonia humana merecia. Em alguns canais, o Vaticano foi tratado como uma "fonte" espúria, que contra todas as evidências mediáticas se recusava a confirmar que o Papa já tinha morrido. Público, 3.4.2005 "A Igreja Católica é só o Papa? (...) esta pergunta, tantas vezes repetida, é agora, pelo menos, de mau gosto. Decorre, porém, da própria lógica imposta pelos grandes meios de comunicação social. Reduziram a celebração da Semana Santa e da Páscoa - no vasto mundo de comunidades católicas - à repetitiva articulação do boletim clínico do Papa com pormenorizadas hipóteses da sua participação ou não nas cerimónias organizadas pelo Vaticano, acompanhada dos cenários possíveis da sua morte e da eleição de um novo sucessor na cátedra de S. Pedro. (...)Não se deve esquecer o que se passa num palco. Quando a luz incide só numa figura o resto desaparece. João Paulo II foi adoptado nas horas de triunfo, de alegria e de sofrimento extremo. Quando se apagar a luz sobre o seu rosto, que Igreja iremos descobrir nos diversos continentes?" Bento Domingues, in Público, 3.4.2005 "As televisões, em Portugal, voltaram a mostrar que estão em grande nível. Todos os canais se mobilizaram, a um nível quase sem precedentes, para acompanharem as últimas horas de Karol Josef Wojtyla, enviando equipas inteiras para Roma, alterando profundamente o ritmo normal das suas emissões. Compreende-se, claramente, esta posição editorial". Nuno Farinha, director da TVGuia, in CM, 3.4.2005 "Mesmo na agonia que ontem o levou à morte, o Papa João Paulo II cativou e comoveu milhões em todo o mundo. E isso era parte do seu mistério. Num mundo tão fortemente mediatizado, no final de um pontificado que tão bem aproveitou as potencialidades da mediatização, não surpreendeu que nos últimos dias as televisões de todo o mundo tenham enchido horas e horas de transmissão - às vezes totalmente despropositadas e sensacionalistas - com a agonia de João Paulo II. " José Manuel Fernandes. Público, 3.4.2005


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» O evento esperado: a morte do papa mais mediático ...
» A cobertura do fim de um papado marcante É compre...
» Jornalismo digital: os próximos cinco anos Sugiro...
» Ameaças à liberdade de imprensa Está em curso a c...
» "Courrier International" em português O Expresso...
» "Compreensão multilingue do jornalismo"
» Blogosfera: espaço das vozes silenciadas
» Jornalismo na Internet
» Jornalistas e Tribunais
» Jornalistas não servem primeiramente o público

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates