Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Arrastão ou arrastinho? No passado fim de semana prolongado, fomos autenticamente bombardeados com as notícias do "arrastão" provocado pela acção aparentemente organizada de perto de 500 adolescentes, de idades compreendidas entre os 12 e os 20 anos, que varreram a Praia de Carcavelos. Isto foi o que nos disseram. De meia em meia hora, a TSF (e os outros media) não se cansou de abrir com a matéria, repetindo até à exaustão elementos que contribuiram para fazer um caso de repercussão internacional, com eventuais consequências para o turismo e para a percpeção do fenómeno da criminalidade organizada (para não falar das minorias étnicas) entre nós. Não faltou o presidente da Câmara de Cascais a dramatizar o assunto, procurando envolver o primeiro-ministro e o presidente da República na questão. A polícia terá também dado a sua ajuda. Autoridades que - não se sabe - agiram para construir o acontecimento para os media ou por causa da construção do acontecimento que os media estavam a fazer ou pelos dois motivos. Afinal, quer pelo que se disse ontem na Quadratura do Círculo quer pelo que se escreve, por exemplo, no Público de hoje, nem o número de assaltantes se terá aproximado da dimensão difundida pelos media, nem o caso de Carcavelos terá a novidade intrínseca que se lhe atribuiu nem o número de banhistas roubados ou agredidos terá sido significativo. Escreve o Público (link para assinantes):

"No meio da confusão que se gerou, estou em crer que muitas pessoas que pensavam ter sido roubadas acabaram por encontrar os seus pertences caídos no areal ou optaram por não apresentar queixa contra terceiros", explica. Com muita experiência de policiamento nas praias da Linha de Cascais, Oliveira Pereira lembra que os assaltos em grupo sempre foram uma constante, nomeadamente em Carcavelos e Estoril."Sempre foi comum juntarem-se vastos grupos nas praias de onde depois divergiam pequenos núcleos de oito ou dez indivíduos que particavam assaltos. Concluímos que na sexta-feira aconteceu o mesmo, só que devido às centenas de pessoas que se encontravam na praia o fenómeno tomou outras proporções. De um grande grupo de 400 ou 500 pessoas só 30 ou 40 praticaram ilícitos", afirma o responsável do Comando da PSP de Lisboa.Para o superintendente Oliveira Pereira, os assaltos também terão sido decididos na altura na praia e não fruto de uma organização mais elaborada que levasse centenas de pessoas a Carcavelos com intuitos criminosos".
Quer isto dizer que não se passou nada? Que não se passa nada? Não quer. Quer isto dizer que os media não fizeram o seu papel? Que não foram averiguar os factos e que contribuiram, ainda que induzidos por terceiros, para ampliar o caso? Isso é que conviria averiguar, para eventualmente se aprender com o que se passou. (Seria interessante incorporar, na análise deste caso, os resultados do Estudo sobre Media, Imigração e Minorias Étnicas, que hoje a imprensa divulga, e segundo os quais, os "Media vêem crime de minorias como efeito da exclusão" (Pùblico) e "Imigrante passou de autor a vítima" (Diário de Notícias").


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Weblogues para acompanhar a actualidade
» "Rititi" Francisco José Viegas, em "Ah, gajas do ...
» Cursos online para a formação de jornalistas Já t...
» Guia legal para bloggers Perante o aumento dos ca...
» A morte é uma notícia demorada
» A primeira página Como resolver o problema de doi...
» Serviço público em quatro tempos Uma história em ...
» As 11 dimensões do jornalismo dos cidadãos A ler,...
» Relatos do vivido "Um belo dia, um chefe informou...
» Sobre o contumaz e ininputável presidente De fact...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates