Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



A Media Capital, o Governo e a Prisa: opiniões No mesmo dia em que se anunciou que a Autoridade para a Concorrência não iria levantar obstáculos à aquisição da Lusomundo Media pela Controlinveste, soube-se que o grupo Prisa, derrotado nesse negócio, iria entrar, com uma parte significativa, como accionista, na Media Capital, detentora da TVI. Logo nessa altura, num comentário no DN de 23 de Julho, intitulado "Tapas y bocadillos", Nuno Azinheira, entre muitas perguntas, avançava estas:

"Terá sido coincidência o facto de os dois negócios do ano (a aquisição da Lusomundo Media pela Controlinveste e o acordo entre a Media Capital aos espanhóis da Prisa) terem sido concluídos e anunciados no mesmo dia?(...) É verdade que a Prisa, tão próxima do Governo espanhol liderado por Zapatero, recebeu mesmo luz verde de Sócrates para avançar para o negócio?"
Poucos dias depois, Marques Mendes, Presidente do PSD, discursando na Festa do Pontal, em 6 de Agosto último, era mais afirmativo:
"O Governo não apenas sabia como acompanhou e ajudou a que um grupo da Comunicação Social espanhol [Prisa], com conhecidas ligações aos socialistas, tivesse comprado uma parte importante de um grupo de Comunicação Social português. Que os negócios privados se façam é legítimo. Que o Governo tenha alguma palavra ou alguma intervenção é inaceitável".
Na sua coluna "Olho Vivo", de domingo pasado, no Público, o crítico de televisão Eduardo Cintra Torres, retomava o argumento e dava-lhe uma interpretação:
"Perante o seu abismo na opinião pública, que faz o Governo? Tal como no delírio santanista, o Governo Sócrates já começou ao ataque nos media. É o costume: quando não sabem governar nem enganar as pessoas, toca de culpar os media... e toca de os assaltar. A intervenção do Governo para o eventual controlo da Media Capital pela espanhola Prisa é sintomático. (...) O PS português não tolera a independência da informação da TVI e por isso quer quebrar-lhe a espinha, seguindo o caminho de Santana ao expulsar Marcelo do Jornal Nacional".
Na sequência destas e de outras leituras (a blogosfera tem também comentado abundantemente o tema), o ministro Augusto Santos Silva, escreve no Público de hoje um texto de opinião em que, depois de recordar as linhas da política do Governo para o sector dos media, observa:
"A campanha actual sobre o pretenso 'assalto' do PS a grupos de media é uma dessas operações de falsificação e intriga, que, aliás, esconde mal o interesse de sectores que se habituaram a dominar a bel-prazer segmentos estratégicos do mercado da informação e da opinião, e agora receiam que a dinâmica própria deste mercado lhes venha a enfraquecer posições ou retirar influência".
Sobre esta matéria, algumas notas: - Em primeiro lugar, é muito provável que, relacionados com este caso, haja factos que ocorrem nos bastidores do espaço público que são relevantes para compreender o que se está a passar e que desconhecemos. - Em segundo lugar, não é fácil aceitar que haja apenas coincidências, nestas sucessivas tentativas do grupo Prisa de entrar no mercado mediático português. Basta acompanhar a sua trajectória em Espanha e noutros países, para se perceber que se trata de um grupo que, para dizer pouco, "não brinca em serviço". - Em terceiro lugar, a prática do governo PS noutras áreas (igualmente estratégicas) faz redobrar as atenções relativamente a qualquer movimentação numa área sensível como a dos media. - Em quarto lugar - e aqui bate o ponto - não parece sério que se construa um cenário desta magnitude (uma aliança de governos da mesma cor política para o controlo, por via indirecta, do principal canal televisivo) sem que isso seja apoiado em factos. Não é o facto de Marques Mendes afirmar que o Governo "sabia, acompanhou e ajudou" que dá substância ao referente da afirmação. Dito de outro modo: não é pelo facto de existir a afirmação que existem os factos correspondentes. E não é legítimo tomar a afirmação como prova dos factos. Mas aqui haveria que chamar a atenção para as responsabilidades que cabem ao nosso jornalismo: então o líder do principal partido da oposição afirma, taxativamente, que o Governo está envolvido numa manobra de controlo do principal canal televisivo e ninguém o questiona (tanto quanto me pude aperceber) dos factos em que ele se baseia? Ninguém investiga?


1 resposta(s) para “”

  1. Anonymous Anónimo 

    marta amaral 17 anos sai da secola e foi para cesica esta tri curos de lavamdria de 4 anos de curo netro para cesica dia 03 junho e gosta itra do morago com açora

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Dez anos de Internet É claro que ela é mais antig...
» Leituras * «São as batedeiras eléctricas sumo de...
» "El País" prepara-se para lançar "O País" em Portu...
» Mudança de provedor em La Vanguardia Josep Maria ...
» Leituras no/do "Público" * O destaque do diário v...
» "O Comércio do Porto" em blogue O pessoal de O Co...
» Direitos dos cidadãos nos media O Público noticia...
» Sentença de morte * A Prensa Iberica concretizou ...
» IAMCR
» Ir além dos paliativos A presença dos grupos medi...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates