Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Encontros e debates em Santiago de Compostela


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Nestes próximos dias, a Universidade de Santiago de Compostela recebe o VII LUSOCOM (Congresso Lusófono de Ciências da Comunicação), o qual decorrerá, a partir de amanhã, na bela Faculdade de Ciências da Comunicação, obra construída por Siza Vieira. Já hoje, começa o EnBlogs, uma jornada sobre o fenómeno dos blogs, promovido pelo Consello da Cultura Galega. No âmbito desta iniciativa, os organizadores dirigiram, antecipadamente, um inquérito aos intervenientes, cujas respostas podem ser consultadas no site do evento. Deixo as perguntas e as respostas que enviei: 1. ?Que te aportou o fenómeno blog? O fenómeno blogue começou por ser, para mim, uma ferramenta acessível de registo de tópicos e de referência a assuntos que costumava, antes, anotar num caderno de apontamentos manuscrito. O blogue dava-me a oportunidade de fazer o que antes fazia de modo mais eficiente, com duas vantagens acrescidas: a partilha e interacção com outros interessados nos mesmos assuntos e a possibilidade de o fazer em grupo.Isto passava-se em 2002.De resto, há um outro ponto que eu gosto de sublinhar, porque tem para mim um valor simbólico muito importante. Embora já tivesse ouvido falar de blogues, foi numa aula de mestrado, e com os alunos, que eu aprendi a construir um blogue e a descobrir o alcance cultural, pedagógico e político desta ferramenta. A partir do ano lectivo de 2002-2003, todo o processo de ensino-aprendizagem do jornalismo, matéria que lecciono da Universidade, passou a contar com os blogues como espaço de publicação.Como cidadão, como professor e como jornalista, sinto que os blogues representam uma mais-valia notória ? a auto-edição, a aprendizagem colaborativa, a informação de raio mais alargado, o debate e a troca. 2. ?Son os blogs unha moda social ou viñeron para quedarse? Para muita gente, os blogues são uma moda. Tornou-se chic ter um blogue. Mas isso não quer dizer que os blogues sejam um fenómeno passageiro. Ainda que venham a mudar significativamente algumas das características que hoje apresentam. Como acontece com o fascínio de um novo ?brinquedo?, uma boa parte daqueles que se lançam na empresa de criar um blogue desistem ao fim de algum tempo: por cansaço, por não terem que dizer, por verem que as audiências não os convertem em vedetas ou por outras razões. O que é surpreendente, na blogosfera, é a diversidade de iniciativas, de interesses, de propostas e de temas. Há muito lixo, muita conversa mole, muito voyeurisme, muito narcisismo? Certamente. Mas existe, ao mesmo tempo, um espaço no qual, de forma por vezes impressionante e surpreendente, emerge a descoberta do talento escondido, da criatividade fulgurante, da solidariedade, da beleza e da ternura. 3. ?No ano 2005 produciuse unha auténtica explosión do número de bitácoras en galego. Cres que o fenómeno seguirá expandíndose? Os dados do Technorati, por exemplo, continuam a reiterar a ideia de que o número de blogues dobra a cada seis meses, isto desde 2003. A quantidade é um sintoma de curiosidade, de gente que procura um espaço para dizer que existe e para tomar a palavra. Mas o que surpreende na blogosfera, e provavelmente continuará a surpreender, é a diversidade, a versatilidade das utilizações, as dinâmicas sociais de que os blogues são expressão. 4. ?Enriquecen os blogs a esfera pública e fomentan a pluralidade? É verdade que não é por muita gente começar a expressar-se ao mesmo tempo que há mais comunicação. Isso pode até amplificar o ruído e a incomunicação. Do meu ponto de vista, é, porém, extremamente positivo que mais pessoas e mais grupos possam ter a sua palavra e a sua voz na web; que possam ser lidas, vistas e ouvidas; que possam escutar e ler informações e opiniões diferentes daquelas que os grandes media veiculam; ou que comentem, de forma crítica e esclarecida a informação dominante. Desse ponto de vista, a esfera pública alarga-se e enriquece-se. 5. ?Que influencias pensas que teñen os blogs na vida cultural e nos medios de comunicación? Uma das maiores promessas da blogosfera é a possibilidade de curto-circuitar a auto-referencialidade das formas culturais e mediáticas dominantes: revelando novos autores e criadores e permitindo o acesso de mais pessoas à publicitação. Por outro lado, os blogues podem constituir-se como instâncias de escrutínio do jornalismo e dos media. Não são, em si mesmos, jornalismo, no sentido profissional do conceito, mas alargam os círculos de conversação a que o jornalismo dá, ou deveria dar, origem.


1 resposta(s) para “Encontros e debates em Santiago de Compostela”

  1. Anonymous Arrebenta 

    Nota Edibloguetorial: ainda o Pacheco Pereira

    Andam por a? a espica?ar-me para responder a um texto publicado por Pacheco Pereira, no "P?blico". Ora, antes de mais, devo dizer que, emocionalmente, tenho, relativamente ao referido senhor, a mesma reac??o que com a B?rbara Guimar?es: sempre que ele emerge por um dos meios de comunica??o tradicionais, eu mudo de canal, ou seja, n?o faz parte nem do meu imagin?rio nem das pessoas sobre as quais tenha qualquer opini?o, para al?m de um breve epit?fio mental, que n?o irei reproduzir aqui. Quanto ao "P?blico", apenas lhe conhe?o os cabe?alhos, e faz-me ele sempre lembrar uma estante de letras que caiu e se espalhou pelo ch?o, ileg?vel, e a pedir uma boa vassourada...

    Portanto, foi j? a contragosto que passei pelo tal "Abrupto", s?tio que tamb?m n?o me motiva, entre outras raz?es, porque, como laborador da l?ngua portuguesa, metade daquelas p?ginas se encontram escritas em ingl?s, idioma que n?o tenho paci?ncia para ler ali, e, quanto ? outra metade, mais valera que tamb?m nele estivesse escrito...

    Passei, pois, por alto, os olhos pelo texto, longo, chato, e, como sempre, falho de capacidade sint?tica. Apenas retive o seguinte par?grafo, que passarei a citar aqui: "No caso portugu?s, os comentadores n?o parecem ser muitos, embora a profus?o de pseud?nimos e nick names, d? uma imagem de multiplicidade. S?o, na sua esmagadora maioria, an?nimos, mas o sistema de nick names permite o reconhecimento m?tuo de blogue para blogue. Est?o a meio caminho entre um nome que n?o desejam revelar e uma identidade pela qual desejam ser identificados. Querem e n?o querem ser reconhecidos."

    Esclare?a-se o tal Pacheco do seguinte: antes de o Espa?o P?blico de Express?o Portugu?s ter sido invadido pela presente m?quina, castradora e infernal, de coac??o, censura, compadrio, nepotismo, capelismo e prostitui??o, extens?vel a tudo o que ? televis?o, r?dio, jornal, revista, editora e outros meios, que me poder?o agora falhar, nesse tempo, que era, por exemplo, o tempo da "Outra Senhora", que suponho que o Pacheco ter? bem conhecido, nesse tempo, como em tantos outros tempos, algumas das melhores vozes j? eram remetidas ? chamada edi??o com... "pseud?nimo".

    Eram tempos sufocantes, e as pessoas escolhiam ligeiras m?scaras que as protegessem da polui??o e dos riscos da situa??o reinante; infelizmente, nunca se poderia pensar que essa polui??o e a sensa??o de sufoco se pudessem, de tal modo, alargar, que at? a publica??o, atrav?s de pseud?nimo, se tornasse imposs?vel. Pois, esse tempo chegou, e, ao chegar, remeteu para o "no-man's-land" do Virtual a derradeira possibilidade de expressar o que, realmente, ainda ? escrito contra o obsessivo bloqueio do Sistema.

    Tempos vir?o, em que, como sempre aconteceu na Hist?ria, os recordados acabar?o por ser os que escreveram nessa Terra de Desola??o, "malgr?" os esfor?os dos pachecos pereiras de todos os tempos para, por cima deles, granjearem a Eternidade.
    Corrija, pois, o cavalheiro, o seu l?xico e os seus referenciais: os "an?nimos" da Blogosfera, n?o s?o hoje mais do que os "pseud?nimos", e, mesmo, os "heter?nimos" de antanho, antes de ele, e os seus pares, terem conseguido chacinar a Liberdade de Express?o e os derradeiros espa?os de combatentes da Esfera Real.

    Acontece.

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» O lugar da televisão nas nossas vidas
» EUA: Televisões contra FCC
» Lusocom 2006
» Leituras
» "Os Dias Loucos do PREC"
» Os media e a democracia - o que diz Ramonet
» "Em casa de ferreiro"
» Ipsis verbis
» Agradecimentos...
» Vídeo-entrevistas sobre a nova entidade reguladora...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates