Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



"Moralmente repugnante"


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



"Moralmente repugnante". Assim classifica, em título, o site da Câmara Municipal do Porto, a coluna de ontem de Joaquim Fidalgo, no Público, intitulada Boa memória. O motivo do texto de Fidalgo era uma notícia do mesmo jornal, na qual se dava a conhecer que, nos protocolos de financiamento da autarquia municipal portuense, se passava a exigir que as instituições financiadas não criticassem publicamente a Câmara (para conhecer a posição da edilidade, cf. comunicado CMP desmente o Público). Na coluna de ontem, Fidalgo escrevia sob a forma de carta a um amigo e antigo colega seu do jornalismo, que faleceu precocemente, e que foi também , por sinal, um grande amigo de infância de Rui Rio, para sublinhar que, apesar da amizade, um acto como o do agora autarca do Porto nunca deixaria de merecer a discordância daquele amigo. O presidente da Câmara do Porto não gostou e escreveu, ou mandou escrever, a tal reposta considerando o artigo de Fidalgo "moralmente repugnante". Conhecendo o autor do texto, fui ver o que havia de repugnante. O que se conclui é que doeu a Rui Rio que o colunista do Público tenha invocado um amigo comum. Compreensível. Mas é numa pequena frase que muito se revela o que aqui está em jogo: Rio questiona que o tal jornalista "se fosse vivo estaria ao lado dele [Fidalgo] contra o velho amigo e companheiro de muitos anos". Ora o colunista do Público nunca pôs as coisas nesses termos. Não foi no plano das pessoas ou da fidelidades às pessoas. Não foi: ele está comigo e não com Rui Rio. Colocou as coisas no campo das ideias, no valor da liberdade da crítica, o que é completamente diferente. Ou seja, esta distorção da opinião de outrem é que qualifica moralmente quem a faz. Em tempo: Vale a pena ler, a este propósito, a coluna "Queridos autarcas", de Augusto M. Seabra, no Público (acesso só para assinantes).


1 resposta(s) para “"Moralmente repugnante"”

  1. Anonymous luis santos 

    Se olharmos para a pagina da CMP no dia de hoje, a seccao 'Noticias em destaque' inclui tres textos atacando, de forma veemente, o director-adjunto do Jornal de Noticias, David Pontes, uma actriz, Carla Miranda (apresentada como "mulher de Pontes" na certeza de que esse facto ? o mais relevante do seu pronunciamento) e Joaquim Fidalgo.

    O executivo da CMP tera, certamente, direito a pronunciar-se sobre o que entender mais relevante, mas surgem-me duas inquietacoes:

    1. Se o executivo gasta tanto do seu esforco a esbracejar contra os monstruosos gigantes/moinhos que diz terem sido criados pelos jornalistas nao estara a desviar-se da sua tarefa primeira, para a qual foi eleito?

    2. Se o executivo se sente assim tao injuriado - como sugere o pesado titulo 'Moralmente Repugnante' - nao seria isso razao suficiente para que os textos nao aparecessem de forma anonima?
    Que credibilidade pode ter um texto cheio de acusacoes nao fundamentadas e nao assinado?
    Que credito pode dar-se a quem entende ser esse um procedimento correcto - 'atirar as pedras e esconder a mao'?

    Por mais razao que julgue ter, Rui Rio - e quem o aconselha nestes assuntos - procede de forma incorrecta e isso nao o dignifica a si nem ao municipio que dirige.

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Debate sobre os media católicos no Clube de Jornal...
» EUA: 450 mil dólares dos militares para investigar...
» Sinais de que nem sempre "andamos a dormir"
» Leituras
» Referência... ou coincidência
» Prova pública sobre directiva TV Sem Fronteiras
» Qual será o papel do jornalista?
» Revelar a identidade de vítimas de crimes sexuais
» "Please, mind the gap"
» As palavras que falam da crise em Timor

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates