Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Revelar a identidade de vítimas de crimes sexuais


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



A revelação de nomes de pessoas menores de 18 anos vítimas de crimes sexuais por parte do Público levou um leitor a queixar-se ao provedor do leitor deste diário. Na carta que lhe endereçou - e que motiva a coluna de hoje (acesso só para assinantes*) - cita os posts Recado para o jornalismo de referência e "Errar é humano; insistir no erro é... mau jornalismo", que aqui publicámos (eu a Madalena Oliveira, respectivamente) a 8 e 10 de Junho último, estendendo bastante a lista dos órgãos de comunicação que, naquela altura, se fartaram de divulgar a identidade de uma bebé dos arredores de Viseu. No caso do Público, Rui Araújo, o provedor, convoca um outro caso de natureza semelhante, acontecido nas últimas semanas. Chamado a pronunciar-se, o director do jornal assume sem subterfúgios que o Público errou. Se não houvesse provedores e leitores atentos, que não engolem tudo o que lhes dão, o caso não viria a público, visto que foi identificado na reunião dos editores, mas os leitores só agora tiveram direito a conhecer o facto. Creio que seria desejável que fosse o próprio jornal a tomar a iniciativa de dizer: "metemos a pata na poça", mas vamos incrementar internamente os mecanismos de atenção para que isto não se repita. Estou convencido que é maior o dano do silêncio do que o do reconhecimento do erro. Assim, fica sempre a ideia de que apenas se soube porque houve -que chatice! - quem refilasse. Aproveito para partilhar uma ideia que complementa o que escreve o provedor. A norma que impede a revelação da identidade tem por objectivo, suponho, acautelar os direitos individuais das crianças. Mas a verdade é que há casos em que se pode revelar a identidade sem chegar a escarrapachar o nome. Em muitos meios rurais ou semi-rurais, em que existem ainda redes consistentes de inter-conhecimento, basta indicar o nome da terra para, de imediato, toda a gente ficar a saber de quem se trata. E julgo que este ponto não aparece suficientemente contemplado nos livros de estilo, nos códigos deontológicos e nas leis. Já agora: tantos foram os media que, neste caso, infringiram as normas deontológicas - são citados o Diário de Notícias, Correio da Manhã, Público (.pt e offline), RTP, TSF, SIC, TVI, Portugal Diário, Diário Digital, Voz das Beiras e a Renascença - e não se passa nada (para além desta abordagem de Rui Araújo)? Pelo menos dois dos media citados têm provedor e existe um conselho deontológico dos jornalistas. Com uma violação tão generalizada é caso para achar que quem levanta o problema é que deve ser tolo. (*) Deverá vir a ser disponibilizada no blogue do provedor)


2 resposta(s) para “Revelar a identidade de vítimas de crimes sexuais”

  1. Anonymous filinto 

    N?o deixa de ser curioso que esteja um post da jornada citado na ?ntegra, sem citar a Jornada. Apercebi-me por aqui, elo ?ltimo par?grafo deste post, pois como a blogosfera anda t?o pregui?osa como o jornalismo, creio ter sido o ?nico a chekar os jornais, r?dios, tvs.

  2. Anonymous filinto 

    foi rectificado no site.

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» "Please, mind the gap"
» As palavras que falam da crise em Timor
» Uso da Internet cresce em Portugal 29% ao ano
» Garantir agendas...
» Provedores do telespectador e do ouvinte já têm si...
» Ainda as reacções ao documento da ERC
» "Choque tecnológico" e literacia
» O efeito blog - um exemplo
» Tratamento jornalístico da deliberação da ERC
» ERC "obriga" SIC e TVI a rever programação

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates