Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



O impasse no Libération


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



A um observador externo que observe a crise que vive o diário Libération o impasse em que as coisas se encontram não pode deixar de preocupar. De um lado os planos - tidos por economicistas e fortemente condicionadores do trabalho da redacção - defendidos pelo principal accionista, Edouard de Rothschild, e do outro a proposta da sociedade do pessoal da empresa, com o contributo do ex-director de Le Monde, Edwy Plenel, que originou igualmente reacções muito díspares. Uma sociedade de leitores foi constituída no mês passado e anuncia no seu site ter ultrapassado os 3000 membros (e reunido cerca de 130 mil euros, uns trocos, se comparados com o montante do buraco financeiro do jornal). Tem procurado mobilizar leiotres preocupados com o evoluir da crise e realiza amanhã, em Paris, uma reunião aberta, depois de uma outra que teve lugar na semana passada em Lyon. É uma dinâmica de participação interessante, mas, aparentemente, sem grande peso no desfecho das soluções para o jornal, que muito provevelmente serão tomadas na próxima semana ou, o mais tardar, na seguinte. A questão de fundo - para a qual remete, nomeadamente, o texto do dicurso de Plenel, na assembleia do pessoal do diário, realizada em meados deste mês - é a de saber que jornal faz sentido hoje, tendo em conta a convergência de tecnologias, o papel da Internet (e, no quadro francês, a natureza da restante oferta da imprensa diária). Plenel - na intervenção entretanto transcrita e publicada - defende um investimento estratégico na web, um tipo de informação que distinga o jornal do "ruído mediático" das "breaking news" e uma aposta clara na identidade de esquerda do diário (sem, no entanto, o tornar num jornal de opinião, embora com opinião). Uma resposta no debate que se seguiu à apresentação das suas ideias, em que Plenel terá assumido que um Libération relançado deveria combater frontalmente Sarkozy, numa eventual corrida presidencial deste, suscitou reacções negativas em alguns sectores, designadamente Daniel Schneidermann, que deixou Le Monde em ruptura precisamente com Plenel e que hoje assina uma coluna no Libération (cf. Libé : pourquoi je ne crois pas au plan Plenel). Uma hipótese séria a considerar é aventada pela sociedade de leitores: "existe um risco efectivo de o Libération desaparecer". Complemento: Para uma perspectiva geral deste caso, consultar o dossier que o Libération tem disponível no seu site.


0 resposta(s) para “O impasse no Libération”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Leituras
» Renascença com novo rosto na net
» Manifesto pela mudança no jornalismo
» Sinais dos tempos
» Resposta de Eduardo Cintra Torres
» Os finalistas do Best of the Blogs 2006
» Anotações
» ... e agora Guimarães!
» As pessoas mudaram a Internet
» Está o Governo a controlar a informação?

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates