Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



2. Modelos teóricos na abordagem da Educação para os Media? A segunda questão que gostaria de propor, ao pensarmos o futuro da Educação para os Media é relativa aos fundamentos teóricos. É de extrema relevância porque inspira, enquadra e situa o trabalho a desenvolver, seja ele, de intervenção ou de investigação. De facto, não faria sentido propor uma atitude crítica e esclarecida face aos media, se essa mesma atitude não for cultivada e permanentemente mantida face aos pressupostos da nossa acção. Neste âmbito, temos ao nosso dispor, no espaço ibero-americano, um património de grande alcance e de projecção à escala do mundo, do qual estamos longe de extrair as devidas ilações. Gostaria de referir em particular os nomes do brasileiro Paulo Freire e do boliviano Jesús Martín-Barbero. Ambos partilham uma proposta que deve ser retida: a ideia de que a comunicação, tal como a educação, precisa de ser pensada no quadro das relações e das práticas sociais, de forma enraizada e contextualizada, em íntima conexão com as culturas, no sentido antropológico do conceito. Freire trabalhou um modelo de comunicação que procura romper com o paradigma transmissivo e transferencial de comunicação, enfatizando a natureza dialógica do processo. O modelo de “educação bancária”, que não só desconstruiu teoricamente, como procurou superar na prática educativa, continua a prevalecer, se não nas suas versões mais duras e extremas, nas lógicas dominantes da educação escolar, como observava não há muito, um outro nome de referência no nosso espaço geo-político-cultural: Mario Kaplún. A Martín-Barbero, que trabalha, de forma coerente contributos de autores como Certeau, Bourdieu, Gramsci, Williams, Benjamin, Baudrillard, Foucault, e Habermas, gostaria de ir buscar a ênfase nas mediações e nas práticas sociais: nas modalidades de apropriação e de significação da chamada cultura de massas e dos processos através dos quais as identidades se redefinem e transformam. É de novo a proposta de uma ruptura com visões e abordagens mediocêntricas que tendem, quase inevitavelmente, a remeter os actores sociais, pessoas e grupos, para uma posição passiva de destinatários ou clientes. Um e outro autor ajudam-nos de modo muito vincado a compreender que, conforme os modelos teóricos – comunicacionais e educativos – que adoptarmos, assim a nossa intervenção ficará condicionada e orientada em determinado sentido. E ambos apontam claramente caminhos teóricos, metodológicos e de intervenção, que devolvem às pessoas e aos grupos uma margem relativa de iniciativa face ao seu meio envolvente, a qual constitui um requisito fundamental e decisivo para o trabalho de educação para os media.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Dois livros A livraria parisiense TEKHNÊ, espe...
» Redacção ciberjornalística A elaboração de um M...
» 1. Que queremos dizer com “Educação para os Media?...
» "Luzes no labirinto audiovisual" Começa hoje em...
» Cidadãos-Jornalistas E se um site noticioso ofe...
» Saramago: "Para que serve a comunicação?" O sit...
» Ainda Schneidermann O Observatório da Imprensa ...
» Como a droga e o terrorismo «La televisión basu...
» Outros tempos Uma exposição de motivos de ilus...
» “Portugal cai 21 lugares na escala da liberdade de...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates