Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



O Telejornal falhado do dia 5 de Outubro


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Li algumas críticas que me pareceram sérias e pertinentes a respeito do Telejornal da RTP1 do feriado de quinta-feira, dia 5. Não tinha visto as notícias nesse dia, pelo que me dei a tarefa de ir ao site da RTP rever esse vídeo. O que aí se pode observar é, de facto, dificilmente aceitável, qualquer que seja o ponto de vista que se adopte. A peça de abertura retoma o caso do sequestro num banco de Setúbal. É verdade que o desfecho só na madrugada do próprio dia 5 se verificara, mas o assunto já tinha sido tratado de véspera e nada justificava as delongas em torno do modo como as forças policiais actuaram, com um representante da PSP em estúdio, comentando imagens das operações para libertar os reféns. Os pormenores arrastam-se por uns incompreensíveis 16 minutos, explorando um acontecimento que não mereceria mais de um ou dois minutos. Segue-se, no alinhamento, a notícia da subida das taxas de juro, decretada pelo Banco Central Europeu. Seis minutos foi quanto os responsáveis do Telejornal atribuiram à matéria, apesar de a própria peça negar a importância que lhe foi dada, ao notar que o anúncio foi "o que já todos esperavam" e que "a razão é sempre a mesma". O motivo da notícia era escasso, mas a RTP entendeu encher chouriços indo para a rua fazer aquelas perguntas óbvias que só podem receber respostas igualmente óbvias. Tudo o contrário daquilo que se costuma entender por jornalismo. É em terceiro lugar, quando se leva já, mais de 22 minutos de Telejornal que chega uma das mais importantes notícias do dia: a manifestação de professores em Lisboa, que o autor da peça considera "a maior desde o 25 de Abril" e, mesmo, "o maior protesto de rua de sempre" da classe docente. Se assim foi, será aceitável que o assunto tenha sido colocado em terceiro lugar e tratado de fugida? Os 2,5 minutos que ocupa tornam-se ridiculos em face dos 16 atribuídos a um sequestro requentado. E não é apenas a duração da peça. O tratamento é do mais convencional que pode haver. A outra notícia do dia - o agendamento político do problema da corrupção pelo presidente Cavaco Silva, no seu discurso comemorativo da implantação da República - surge em quarto lugar, já perto das 20.30. Igualmente a correr, já que o destaque, nesta matéria, vai para a abertura do Palácio de Belém à visita dos populares. Torna-se deprimente ver José Alberto Carvalho como pivot de um serviço destes. E torna-se, sobretudo, preocupante, ver o serviço público dar sinais de um enviesamento que não pode deixar de ser denunciado.


5 resposta(s) para “O Telejornal falhado do dia 5 de Outubro”

  1. Anonymous Sim?o dos Reis Agostinho 

    De facto, os telejrnais portugueses s?o vergonhosos. Mas as responsabilidades avolumam-se quando se trata do servi?o p?blico.
    O que quase sempre acontece ? assistirmos a uma hora e meia de reportagens sem qualquer noticiabilidade, ao contr?rio do que acontece no resto da Europa. O gatekeeping das redac??es est? extremamente aprisionado ao interesse do p?blico em vez de se preocupar com o "interesse p?blico", que s?o coisas bem diferentes. E eu nem quero acreditar que assim n?o seja, porque significaria pura falta de entendimento do assunto por parte dos profissionais.
    Por outro lado, os telejornais acabam por ser o reflexo da estupidifica??o da opini?o p?blica portuguesa, n?o vos parece?

    cumprimentos

  2. Anonymous terrivelanonimo 

    o servico publico de televisao esta num estado lastimavel. uma programacao superficial e futil - quando nao e assim e porque ja sao 2 da madrugada, e uma informacao para guerra de audiencias.
    mas a rtp esta contente por ser a segunda estacao publica da europa com menos custos ... almerindo marques deve estar muito contente ... mesmo que o produto seja fraco. qual fraco ? ate tem alguma audiencia ...
    quem manda ? luis marinho, que aterrou na rtp pela mao de durao e o tal turbodirector (subdirector de informacao, que agora, para la de acumular com a rtp centro, acumula com a rtp norte), sao capazes de tudo. jmportugal tem grande experiencia na absoluta falta de etica - era jornalista da rdp e trabalhava ao mesmo tempo para a sic. a teoria de rangel da venda de sabonetes ou presidentes, seguiu-a sempre devotamente. tem interesses em empresas privadas de audiovisuais e eventos que jogavam habilmente com coberturas mediaticas (mesmo simuladas) e camaras municipais. com este background o que podemos esperar ? ... talvez almerindo marques deitando foguetes quando a rtp for o canal publico da europa a gastar menos dinheiro ... ah ! nao esperem pelo provedor

  3. Anonymous In?s Aroso 

    E realmente lamentavel este de alinhamento do telejornal... Ja nao vale a pena ir ac correr ligar a televisao as 20h00 para ver as noticias mais importantes... La para o meio nao perdemos nada... Ate que se chegue a conclusao que nem vale a pena ver nada... E procuramos outros meios...

  4. Anonymous Jos? Rui 

    Concordo com a sua an?lise, que vai bem at? ao ?ltimo paragrafo, a? falha-lhe o pulso
    e o remate sai ao lado. Alias esta sua cronica ? bem o retrato dos problemas do Pa?s a v?rios n?veis, da justi?a ao empresariado e ? at? a causa de um clima cinzento que vagueia entre o amiguismo e a social corrup??o.
    O Jos? Alberto Carvalho ? o principal culpado por aquela pe?a ter ido para o ar, era ele o pivot e tem cargo directivo na ?rea de informa??o, n?o ? mais ninguem.
    E era por aqui que devia ter come?ado o seu texto.Agora esse apontar vago de culpas ? RTP n?o ? mais que branquear a verdadeira responsabiliza??o, os respons?veis est?o l?, t?m rosto e nome, nesse dia foi o J.A.Carvalho, noutros dias outros ser?o.
    Estou farto de viver num Pa?s onde os que est?o presos s?o ladr?es de p? descal?o e pilha galinhas e onde os principais responsaveis se passeiam num qualquer Mercedes e beneficiam do respaldo da comunica??o social e seus criticos. N?o que o caso seja compar?vel, ? apenas um sinal, um forte sinal.

  5. Anonymous Ant?nia B. 

    subscrevo o conte?do (l?cido e bem analisado) do "post", mas contrariamente a um dos coment?rios aqui expressos, eu espero pelo provedor...

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Os jornalistas e as posições políticas
» Media on line: chat com Francis Pisani
» Pérolas de escrita
» "Singular ou plural?"
» O "Público" - entre o impresso e o digital
» "Ser jornalista é ser tradutor". "Só isso"?
» "A Concentração dos Media e a Liberdade de Imprens...
» O mundo e os jornais
» Newsweek em casa e lá fora
» Os provedores como modelo

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates