Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



4. Que se passa no mundo? A actualidade, tal como é construída pelo trabalho dos jornalistas, deve ter um lugar de destaque na educação e nas salas de aula. Esta dimensão acompanha, desde o início, alguns dos programas mais interessantes de educação para os media e deveria, a meu ver, ser reforçada no futuro. O que se passa à nossa volta e o que se passa no mundo constitui uma das matérias mais imediatas de acesso à compreensão da vida social e do espaço público. Seja os grandes acontecimentos, que deixam marcas na história dos povos e da Humanidade, seja os acontecimentos do dia a dia, com carga positiva ou negativa – todos eles constituem indícios e chaves de indagação e análise que a educação escolar não pode desperdiçar. É verdade que esta abertura ao que se está em cada momento a passar no mundo próximo e global é exigente. Desde logo, porque supõe que o próprio docente, o adulto, façam um esforço de acompanhamento atento da actualidade. Depois porque o carácter palpitante e fragmentário das notícias conflitua, à primeira vista, com a lógica do saber escolar e torna difícil o distanciamento que seria desejável. Contudo, também é verdade que o esforço exigido, desde que devidamente enquadrado, reverte em maior interesse da parte das crianças e jovens e, acima de tudo, na passagem de uma mensagem implícita de que a escola e a aprendizagem escolar não são um reduto divorciado do dia a dia, dos temas que motivam a conversação social, de pólos de interesse para os estudantes. Os processos educativos e os currículos escolares orientam-se, em última instância para a formação de pessoas capazes de se posicionar critica e autonomamente no mundo e de nele participar. “Torna-se, por isso necessário - observa o historiador francês René Rémond (s/d)– que os jovens “aprendam a apreciar os acontecimentos e a fazer uma triagem na massa de informações que recebem”. “Mais do que um saber ou uma opinião já feitos, o ensino deve propor-lhes um método”, acrescenta. A experiência de 20 anos do CLEMI (Centre de Liaison de l´Enseugnement et des Moyens d´Information), em França constitui, neste contexto, um caso de excepcional importância, cujas linhas norteadoras o seu director, Jacques Gonnet, tem procurado aprofundar, em trabalhos diversos. A abordagem da actualidade na educação não é apenas uma via de conexão com o mundo envolvente, mas também um caminho de conhecimento e construção de si mesmo, na condição de a escola ser capaz de criar aquilo a que Gonnet (1995: 53-64) chama “espaços de disponibilidade”, isto é, a capacidade de assumir a “gestão emotiva da actualidade, de todas as actualidades” (id.: 48). Num registo nem sempre convergente, mas em grande medida animado das mesmas preocupações, encontramos os programas intitulados “o jornal na escola”, com grandes tradições na Europa e nas Américas, alargado, na última década ao serviço noticioso disponibilizado às instituições educativas por cadeias televisivas. Apesar das ambiguidades por vezes ligadas a tais programas, é sempre o esforço de abertura ao mundo envolvente, de compreensão desse mundo e das questões que o afectam que está em causa. É, em suma, o terreno potencial para a educação para a cidadania.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» 3. Uma perspectiva ecológica Em articulação com...
» Apenas uma pequena nota: o site do Diário Económic...
» 2. Modelos teóricos na abordagem da Educação para ...
» Dois livros A livraria parisiense TEKHNÊ, espe...
» Redacção ciberjornalística A elaboração de um M...
» 1. Que queremos dizer com “Educação para os Media?...
» "Luzes no labirinto audiovisual" Começa hoje em...
» Cidadãos-Jornalistas E se um site noticioso ofe...
» Saramago: "Para que serve a comunicação?" O sit...
» Ainda Schneidermann O Observatório da Imprensa ...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates