Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Ipsis Verbis Mário Mesquita, no Público ("Da Censura pela Escassez à Censura da Abundância"):

"Que actualidade possuem, a (quase) trinta anos de distância, as palavras de [José Augusto]Seabra? (...)Mantêm actualidade as referências às formas de censura ligadas ao "plano económico". Em época de concentração da propriedade mediática, essa censura económica tende a acentuar-se, não tanto sob a forma da supressão, mas, sobretudo, através do controlo da agenda mediática, de modo a impor a hegemonia dos temas que correspondem a determinados interesses dominantes (nas empresas e na sociedade) ou, pelo menos, daqueles tópicos que as hierarquias das redacções supõem corresponder a essas estratégias políticas, económicas e sociais. A mudança mais substancial radica na transformação da censura pela escassez, que se operava pelo "corte" do lápis azul, à censura da abundância, que se baseia na permanente difusão de fluxos informativos, em que se confundem informação e ruído, notícias relevantes e eventos de reduzido significado".
Umberto Eco, no DN ("As pessoas são más para a TV"):
"(...) combates de guerrilha semiológica deviam consistir numa série de mensagens cujo efeito entra em acção não na fonte da mensagem, mas sim no seu alvo, induzindo assim as pessoas a discuti-la e a criticá-la em vez de apenas a receberem passivamente. Nos anos 60 esta «táctica de guerrilha» era ainda arcaica na sua concepção e tomou a forma de distribuição de panfletos, organização de «telefórums» ou de alimentar reuniões espontâneas em bares, onde, nesse tempo, a maioria dos italianos ainda se costumava reunir para ver o único aparelho de televisão na vizinhança. Mas o que deu a este fenómeno um tom muito diferente e lhe deu eficácia em Espanha foi a existência da Internet e do telemóvel. Consequentemente estes «combates de guerrilha semiológica» não foram organizados por grupos de elite ou por militantes. Desenvolveram-se espontaneamente, como uma espécie de telégrafo primitivo, comunicação boca a boca dum cidadão para outro. (...) a crise que atingiu o Governo Aznar foi causada por um fluxo imparável de comunicações privadas que assumiu as dimensões de um fenómeno colectivo. As pessoas mobilizadas leram os jornais e viram televisão, mas, ao mesmo tempo, toda a gente comunicava com toda a gente, questionando-se se aquilo que lhes era dito correspondia à verdade."


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» As celebridades, a publicidade e a obesidade
» Publicações online: como evoluir?
» O New York Times, o Iraque e os media portugueses ...
» Pedagogia dos Media na Universidade do Algarve ...
» Comunicação e diversidade cultural Em torno des...
» Portugal, os media e o "índice de integridade públ...
» Aceitam-se comentários
» "Como se faz um jornal online" Este é o nome e ...
» spot
» Dificuldades de acesso Ontem, durante praticame...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates