Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



6. Como se comunica dentro da escola? Todos sabemos que o lançamento de projectos de educação para os media resulta, em grande medida, do empenhamento e convicção de educadores e professores. Aquilo que em português se designa por “carolice” e que provoca a reticência de muitos, numa era em que tudo tem o seu preço e a sua contrapartida, dificilmente poderá estar ausente das iniciativas e programas que se lancem neste campo. Pelo menos nesta etapa histórica, em que estamos a dar os primeiros passos, em que a sensibilidade pública para esta dimensão é ainda reduzida e em que “é mais fácil maldizer a escuridão do que acender uma luz para a esconjurar”. Mas, sendo um produto da crença, dedicação e interesse de alguns, isso não impede que se procure envolver as instituições educativas no seu todo. Se, como dizia anteriormente, a educação para os media deve ser uma educação para a comunicação, como pode ser isso possível em instituições opacas, cinzentas ou até repressivas? Como desenvolver a educação para os media em contextos institucionais assentes na incomunicação, quando não no medo e na censura? Torna-se, assim, um factor decisivo e estratégico o investimento de esforços em rever os processos e os circuitos de comunicação e informação tanto no interior das escolas e outras instituições educativas, com entre estas e a sua envolvente. Os tempos, os espaços, os hábitos, os canais, os agentes, os suportes são alguns dos aspectos que importa considerar. Entre as iniciativas esporádicas, isoladas ou fragmentárias e o supercontrolo centralizado e a uma só voz das actividades, há uma vastíssima gama de possibilidades que cabe explorar. Assim como se valoriza a diversidade de iniciativas e de ofertas ao nível das modalidades e formas de comunicação na sociedade em geral, o mesmo é desejável no quadro das instituições educativas. E o que vale para o interior da instituição vale igualmente para os intercâmbios desta com a comunidade. O desenvolvimento de parcerias que envolvam actores diversificados – profissionais dos media, pais e encarregados de educação, instituições de saúde, religiosas, desportivas e culturais – constitui um ponto de apoio que pode ser decisivo na educação para os media. Cada parte com a sua perspectiva e a sua sensibilidade pode dar, nesse trabalho, um contributo insubstituível.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Pesquisar nos livros da Amazon O jornal USAToda...
» Blogging is... Escreve Jay Rosen, no PressThink...
» Debates necessários Faz hoje oito dias que o pr...
» "Jogo de sombras" "Os jornalistas não são os gu...
» 5. Ganhar voz, tomar a palavra Vem a propósito ...
» 4. Que se passa no mundo? A actualidade, tal co...
» 3. Uma perspectiva ecológica Em articulação com...
» Apenas uma pequena nota: o site do Diário Económic...
» 2. Modelos teóricos na abordagem da Educação para ...
» Dois livros A livraria parisiense TEKHNÊ, espe...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates