Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Debates necessários Faz hoje oito dias que o presidente da República falou ao país, defendendo a necessidade de ver para lá além da já célebre "novela judiciária". Na altura, interroguei-me porque é que o presidente não falou de outras "novelas" que se cruzam e chocam com a "novela judiciária", e, em particular, a "novela mediática". Que Sampaio está inquieto com o papel que alguns media têm tido neste folhetim tem-se percebido noutras circunstâncias, em que tem sido abordado por jornalistas, nos últimos dias. Mas a ausência de uma referência expressa e directa ao papel da comunicação social não tem sido apenas do Presidente. Tenho a impressão que a generalidade dos agentes e comentadores que se têm pronunciado sobre o caso - em particular sobre a revelação de documentos em segredo de justiça - não vai além de uma genérica referência ao desnorte que grassaria também pelo terreno mediático-jornalístico. Praticamente ninguém - o texto de hoje de Estrela Serrano, no DN, já referenciado aqui, constitui uma das excepções - afronta directamente casos e práticas concretos. A não ser alguns jornalistas que têm, nos últimos dias, comentado o assunto, nomeadamente José Manuel Fernandes e Helena Matos, no Público. Há questões fundamentais em jogo, que o director do Público ainda ontem equacionava. Mas vale a pena que nos perguntemos porque é que, havendo uma posição generalizada de repúdio pelas práticas de alguns media, o facto não é muito mais verberado e denunciado. Uma hipótese que poderia explicar esse comedimento é obviamente o medo das consequências. Todavia, se tal hipótese tivesse porventura sustentação, isso seria da maior gravidade, do ponto de vista da vida democrática. A questão não é de somenos. Fazer de conta que os jornalistas são meras caixas de correio ou amplificadores de interesses e estratégias particulares, numa matéria tão sensível e num contexto público tão toldado como o actual, pode contribuir objectivamente para o agravamento do clima de degenerescência que diversos observadores têm apontado. Seria, assim, importante que prosseguíssemos este debate sobre as responsabilidades dos media face às estratégias dos interesses em presença e face ao direito dos cidadãos à informação pertinente e de interesse público.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» "Jogo de sombras" "Os jornalistas não são os gu...
» 5. Ganhar voz, tomar a palavra Vem a propósito ...
» 4. Que se passa no mundo? A actualidade, tal co...
» 3. Uma perspectiva ecológica Em articulação com...
» Apenas uma pequena nota: o site do Diário Económic...
» 2. Modelos teóricos na abordagem da Educação para ...
» Dois livros A livraria parisiense TEKHNÊ, espe...
» Redacção ciberjornalística A elaboração de um M...
» 1. Que queremos dizer com “Educação para os Media?...
» "Luzes no labirinto audiovisual" Começa hoje em...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates