Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Construtores da realidade? Afirma Joaquim Trigo Negreiros, em entrevista ao DN de hoje, a propósito do seu recente livro "Fantasmas ao Espelho": "(...) alguns [jornalistas] assumem-se como expositores da realidade, encaram a sua actividade como uma descrição dos factos, e são também interpretativos. Outros, para além da descrição, assumem uma capacidade interventiva na realidade: são interventores ou correctores. A minha própria concepção é que os jornalistas não são apenas expositores e correctores, são agentes da definição do que é a realidade. Mas muitos rejeitam essa ideia do jornalismo como construção da realidade social". "Qual é então o papel dos jornalistas?", pergunta Madalena Esteves, jornalista entrevistadora. E a resposta: "Os jornalistas conferem sentido ao mundo, atribuem significado aos factos e ocupam o lugar que anteriormente pertencia à tradição e aos filósofos". Um breve comentário: Uma boa parte dos jornalistas - no "Público", onde Joaquim Negreiros fez a sua pesquisa, não parece ser diferente - convivem mal com a ideia de que são mais construtores do que reflectores da realidade social. Numa análise mais atenta, não custa muito compreender o porquê. Uma cultura da tarimba, que, apesar de tudo ainda vigora (ainda tem vigor), mesmo entre os que vêm das "academias", agarra-se à crença positivista de que é possível contar as coisas "tal como aconteceram" ("es wie eigentlich gewesen", no dizer de Leopold von Ranke, a propósito da historiografia, que se debateu com o mesmo problema). As reticências à perspectiva construtivista são provavelmente um quase reflexo condicionado contra o medo da acusação de falta de rigor ou, numa perspectiva mais positiva, uma expressão da aposta no rigor. Ora o jornalismo é sempre enunciação da realidade, seja pela palavra, pela imagem, pelo som, ou pela combinação de todos estes meios. E as enunciações podem ser mais ou menos ricas, cuidadas, rigorosas. Ao dizer-se que os jornalistas são "construtores da realidade social" está-se a fazer uma interpretação do seu papel. Não se está a acusá-los de nada.


21 resposta(s) para “”

  1. Anonymous ... 

    ...

  2. Anonymous ... 

    ...

  3. Anonymous ... 

    ...

  4. Anonymous ... 

    ...

  5. Anonymous ... 

    ...

  6. Anonymous ... 

    ...

  7. Anonymous ... 

    ...

  8. Anonymous ... 

    ...

  9. Anonymous ... 

    ...

  10. Anonymous ... 

    ...

  11. Anonymous ... 

    ...

  12. Anonymous ... 

    ...

  13. Anonymous ... 

    ...

  14. Anonymous ... 

    ...

  15. Anonymous ... 

    ...

  16. Anonymous ... 

    ...

  17. Anonymous ... 

    ...

  18. Anonymous ... 

    ...

  19. Anonymous ... 

    ...

  20. Anonymous ... 

    ...

  21. Anonymous ... 

    ...

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» "Lisbon Docs" na Culturgest Realizam-se entre q...
» Ipsis Verbis Mário Mesquita, no Público ("Da Ce...
» As celebridades, a publicidade e a obesidade
» Publicações online: como evoluir?
» O New York Times, o Iraque e os media portugueses ...
» Pedagogia dos Media na Universidade do Algarve ...
» Comunicação e diversidade cultural Em torno des...
» Portugal, os media e o "índice de integridade públ...
» Aceitam-se comentários
» "Como se faz um jornal online" Este é o nome e ...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates