Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Tsunami: um ano depois


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Tsunami: um ano depois Os media recordam hoje o tsunami asiático de 2004. Um ano depois, temos também melhores condições para avaliar a cobertura jornalística desta catástrofe. Por que razão foi o tsunami notícia durante tanto tempo? Por que razão o sismo de Outubro passado no Paquistão não teve a mesma exposição mediática? Como é que os media trataram a informação num acontecimento tão traumático como este? Numa leitura muito pontual, diria que o tsunami reuniu todos os critérios de noticiabilidade para se "aguentar" na agenda da actualidade por vários dias: a) os maremotos são fenómenos bem mais raros do que os terramotos (esta seria uma das principais justificações da diferença relativamente ao sismo no Paquistão); b) as consequências humanas e naturais foram devastadoras (embora o local do acontecimento seja distante do mundo ocidental, estavam naquela zona muitos turistas europeus que prenderam a atenção dos seus países de proveniência); c) apesar de não ter sido possível transmitir o acontecimento em directo, as televisões tiveram rapidamente acesso a imagens de vídeos amadores (e a existência de imagens é determinante para conferir dimensão a um acontecimento); d) as tragédias naturais, como as de carácter terrorista, são propícias à curiosidade e a gestos de solidariedade. Quanto ao tipo de tratamento, este foi, como outros no início deste milénio, um acontecimento em que a informação frequentemente se cruzou com a emoção. É que, esgotada a informação factual, e aguardando-se constantemente os números oficiais de mortos e de desaparecidos, bem como os trabalhos de identificação de corpos, aos jornalistas que permaneceram nos locais da tragédia não restavam muitos tópicos de reportagem. Abundaram, por isso, as descrições de ambientes (até do cheiro dos corpos em decomposição nos falaram os jornalistas!), os testemunhos na primeira pessoa, os depoimentos de familiares e amigos das vítimas... dito de outro modo, dominou um discurso sensível, quase comprometido, como o de quem procura, informando, fazer sentir... Um ano depois do tsunami é, parece-me, tempo de reflectir sobre o modo como os media tratam acontecimentos que envolvem grande dor... Haverá uma intenção deliberada de jornalistas e editores para rentabilizar as notícias através da emoção? Prefiro acreditar que não, mas o certo é que a dor dos outros também prende a nossa atenção e isso reflecte-se nas audiências. Tiveram os media um papel decisivo para que as organizações internacionais tivessem desencadeado os mecanismos de ajuda necessários à população afectada? Acredito bem que sim. Há sempre dois lados nestas questões. Ao assinalarmos a data era bom que não descuidássemos nenhum deles.


1 resposta(s) para “Tsunami: um ano depois”

  1. Anonymous M?nica 

    Como esta a india ap?s o tsunami?

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Música portuguesa na rádio pública: há ou não há "...
» Publicidade vs. Telejornal "(...)Em rigor, ningué...
» Leitura No Púbico (acesso mediante assinatura): A...
» Jornalista do DN intimada a revelar as suas fontes...
» Novidade da Marktest: o Bareme Cinema A Marktest ...
» van Dijk editado em Portugal O Centro de Estudos...
» À atenção dos deputados: Que se passa com a nova E...
» Inquérito revela deterioração da profissão de jorn...
» Leitura sobre "O Ecossistema Digital" "El Ecosist...
» O debate nas primeiras páginas Público: Soares ao...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates