Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Futuro da imprensa: sinais do tempo


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



audio_MPUO britânico "The Times" tem vindo a publicar regularmente um anúncio de auto-promoção que, não remetendo propriamente para uma novidade, não deixa de constituir um "sinal dos tempos" que vivemos. Trata-se de uma selecção de notícias, reportagens e colunas de opinião, com a duração de cerca de 50 minutos, que podem ser diariamente descarregadas a partir das 5 da manhã e ouvidas no computador, no iPod, etc. Este é apenas mais um esforço de diversificar os ensaios e as apostas, por parte de um meio que, ao contrário do que se possa pensar, pode ter um futuro interessante se souber interpretar as mudanças não apenas tecnológicas, mas também sociais e culturais em curso. Por outras palavras: se souber tirar partido das tecnologias não para fazer "fogo de vista", mas para repensar e recriar o jornalismo. Porque é de jornalismo que, antes de mais, se trata. Uma perspectiva cínica poderá sorrir mas não deixará de reconhecer clarividência ao ler palavras recentes de Rupert Murdoch, o dono de um império mediático mundial e precisamente proprietário de The Times:

"Power is moving away from the old elite in our industry - the editors, the chief executives and, let?s face it, the proprietors. A new generation of media consumers has risen demanding content delivered when they want it, how they want it, and very much as they want it. This new media audience - and we are talking here of tens of millions of young people around the world - is ALREADY using technology, especially the web, to inform, entertain and above all to educate themselves. This knowledge revolution empowers the reader, the student, the cancer patient, the victim of injustice, anyone with a vital need for the right information".

Ou quando o mesmo Murdoch sublinha, a propósito destes novos "actores":

"The challenge for us in the traditional media is how to engage with this new audience. There is only one way. That is by using our skills to create and distribute dynamic, exciting content. King Content, the Economist called it recently. But - and this is a very big BUT - newspapers will have to adapt as their readers demand news and sport on a variety of platforms: websites, ipods, mobile phones or laptops. I believe traditional newspapers have many years of life left but, equally, I think in the future that newsprint and ink will be just one of many channels to our readers. As we all know, newspapers have already created large audiences for their content online and have provided readers with added value features such as email alerts, blogs, interactive debate, and podcasts. Content is being repurposed to suit the needs of a contemporary audience".


0 resposta(s) para “Futuro da imprensa: sinais do tempo”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Agendas comparadas
» Como pensar a crise da Imprensa sem repensar o jor...
» Jornal belga arranca este mês com o "eReader" Es...
» 65% dos internautas portugueses acederam a blogues...
» Sindicato contra exploração de estagiários nas Red...
» Mudanças à vista no Diário Digital A onda "light"...
» Programa final da conferência de 10 de Abril A Nov...
» Sugestão de Jay Rosen Concurso de bloggers para o ...
» Condenar o jornalismo
» Analisando os dez mais da imprensa portuguesa Os ...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates