Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |




Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Discordâncias e equívocos. Num registo que é, claramente, do domínio do desejo, seria tentado a concordar com a Dora Mota quando advoga, enquanto causa, um jornalismo reflexivo. Todavia, julgo que a função primeira do jornalismo tem um cariz menos épico, cabendo-lhe, antes de mais, informar os seus consumidores do que é prioritário na vida, fornecendo-lhes pistas, senão os instrumentos, que se encontram acessíveis para assegurar a sobrevivência num quotidiano de complexidade crescente e armadilhas difusas. Isto é, o jornalismo, na minha óptica, desempenha uma função vicária - contribuindo para situar as pessoas no seu ambiente fornecendo-lhes pequenas informações sobre o devir das instituições e do seu contexto social, e que lhes afectam, no imediato ou a prazo, o quotidiano, ou que, por outro lado, possam repercutir-se na sua esfera de relações mais próxima. Eis porque o jornalismo regional terá, conforme julgo, importância crescente nos tempos que se aproximam. Caso invista na qualificação dos seus recursos, o que, manifestamente, não acontece (longe disso). Afirmar-se defensor de causas, quando não se declara a causa - e mesmo nesta circunstância - que se advoga é, creio, subverter as premissas do contrato implícito entre jornalista e consumidor, em que este acredita que aquele está a reportar-lhe todos os dados disponíveis sobre o assunto objecto de cobertura jornalistica. Além disso, não raro os defensores de causas servem ingenuamente interesses inconfessados e obscuros sem o saberem, sendo passíveis de manipulação fácil apenas por recusarem uma perspectiva racional dos factos. E as paixões (as causas são um eufemismo que as designa sem as enunciar) são, como é sabido, uma outra expressão da loucura. Saudável, talvez, mas loucura. Decorre daqui que o jornalismo de causas - e, já agora, de que causas estamos a falar, se nunca nenhum jornalista as enuncia a priori... - é, claramente, uma patologia do jornalismo. Acredito, outrossim, que quisessem dizer jornalismo ético, que nos reporta para toda uma outra discussão.


0 resposta(s) para “”

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Em Barcelona decorrem, desde ontem, as III Jornade...
» Jornalismo de causas. É ou não é? E porque razão n...
» Foram introduzidas algumas mudanças no nosso weblo...
» Lembram-se de um debate que surgiu entre nós, há a...
» Umas breves palavras sobre o jornalismo de causas ...
» Os editores do Savanah Morning News descobriram qu...
» Hoje, tive conhecimento do texto de José Alberto G...
» Gostava hoje de responder à questão levantada pelo...
» Acabo de ter a informação de que a Fundación Tele...
» O "Jornalismo de Causas" é Jornalismo? A pergunta...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates