Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Que 'Público' é que os leitores querem?
Sobre uma carta de José Manuel Fernandes


Envie este post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



O director do Público, José Manuel Fernandes, escreveu uma carta aos jornalistas do diário, na qual defende a premência de uma refundação do jornal. "É necessário pôr tudo em causa e pensar tudo de novo. Tudo e em todos os sectores", sublinha. A carta, que considero muito interessante, foi publicada pelo site do Clube de Jornalistas e merece, de facto, ser conhecida. Penso que José Manuel Fernandes toca nas questões essenciais (cito mais abaixo algumas perguntas de entre aquelas com que, na missiva, confronta os seus colegas de profissão). Como leitores e como cidadãos, esperamos pelos resultados da "convocação" do director do Público e desejamos que surjam ideias inovadoras e viáveis, que abram uma nova e criativa etapa na vida do jornal. Há, contudo, um ponto essencial que representa poderoso handicap neste louvável propósito de repensar o diário. José Manuel Fernandes, ao escrever aos seus colegas, faz deles os interlocutores privilegiados para o empreendimento a que se propõe. E são-no seguramente. Mas não são os únicos. Os leitores deveriam ter também uma palavra decisiva a dizer. "(...) [N]ão mudámos tanto como o mundo e o país mudaram nestes 16 anos, antes nos acomodámos a rotinas e criámos hábitos que não nos permitiram fazer a pergunta essencial: é o Público que fazemos o Público que os leitores querem?" , interroga-se José Manuel Fernandes. E que Público é que os leitores querem? É a pergunta que podemos e devemos fazer e que os responsáveis daquele diário deveriam querer escutar. Se há linha claríssima que se recorta nas mudanças observáveis nos media, nos últimos cinco anos (para não ir mais longe) é precisamente esta auscultação e esta conversação com o público que não pode ser visto nem como mera clientela, nem como massa desprovida de ideias. Pode ser demagógico falar assim dos "leitores" ou dos "públicos" em abstracto. Mas é possível identificar rostos - de pessoas, de instituições, de pontos de vista - nesse público. Se assim é, porque é que o Público, ao pretender colocar-se em questão, não leva o seu exercício mais longe e coloca a questão ao público? As perguntas do director do Público (por que diabo hão ser dirigidas apenas aos jornalistas?):

  • É o PÚBLICO que fazemos o PÚBLICO que os leitores querem?
  • Era este PÚBLICO que faríamos se o PÚBLICO não existisse?
  • Era esta a estrutura que teríamos, ou que queremos ter, para fazer o novo jornal que inevitavelmente teremos de fazer?
  • Com tudo o que mudou nas tecnologias que utilizamos, faz sentido manter rotinas e estruturas quase idênticas às de há 16 anos, hábitos de que nós próprios estamos saturados?
  • Alguém dá dinheiro por um jornal que repete o noticiário da véspera e depende demasiado de fontes oficiais para ter boas manchetes?
  • Não seria muito melhor dar em 500 caracteres à rotina das agências e apostarmos antes em temas que nenhuma televisão, nenhuma rádio, nenhum blogue jamais tratarão como nós?
  • Porque é que perdemos tempo a fazer, fazer, fazer, e não temos tempo para pensar como é que havemos de fazer diferente?
  • De todas as notícias que publicamos, quantas merecem realmente o espaço que lhes damos? Que ideias realmente diferentes é que não tivemos? Quantas fotografias não estão lá apenas a encher espaço para 'compor' a página?

Sobre o mesmo assunto, ler também:


1 resposta(s) para “Que 'Público' é que os leitores querem?
Sobre uma carta de José Manuel Fernandes”

  1. Anonymous Arrebenta 

    O Enterro da... "Coisa"

    Com a presen?a da Mentirosa, que nos governa, mais do lastro que ela conseguiu, embora "in extremis", eleger para Bel?m, o Futebol foi a enterrar.

    Gostei de ver os pol?cias, em servi?o, -- muitos deles licenciados que n?o arranjaram mais postos de trabalho -- a saltarem das suas poses de buldogue, para irem pedir o aut?grafo do "X" aos gajos do chuto.
    Porque eles vinham todos engravatados, e, ? dist?ncia, at? pareciam os escravos em s?rie do Millennium-BCP, t?o bem retratados no "Psicopata Americano", do Easton Ellis. O problema come?ava com os "zooms", quando, de repente, apareciam todos os defeitos de s?culos de mesti?agem, o ?lcool das fam?lias e o rasto da m?-alimenta??o.

    De qualquer maneira, estava ali todo um projecto cultural, uma radiografia etnogr?fica, um diagn?stico psicol?gico, um solu?o social, uma radiosa promessa de futuro: Portugal acompanhava ? campa a ?nica coisa em que tinha apostado toda as suas energias, durante dois infind?veis meses. Como costuma dizer o padre, unidos para a vida e para a morte. ?amos a enterrar, mas moralmente vencedores, como j? nos aconteceu, in?meras vezes, no terceiro, e ?ltimo per?odo da nossa j? longa Hist?ria: uma primeira ?pica, da Reconquista; uma segunda, da Expans?o, tamb?m conhecida pelo Tempo-da-R?-que-quis-ser-Boi, como diziam os Integralistas Lusitanos, e o pr?prio Cam?es deixou, na forma de lamento e suspeita; e a Terceira, a do Entrevadinho, do ai-jesus, do sebastianismo do vir?o-dias-melhores.

    E eu, ali sentadinho, a fazer crochet, diante do ?cran plasma, s? me vinha ? ideia que, como eu, havia mais dez milh?es de papalvos, tamb?m sentados, a fazerem crochet f?sico e mental, e a acompanharem aquela derradeira marcha, que terminava nos Campos El?sios do Est?dio Nacional, a relembrar as fontes salazaristas do... Fen?meno: o Eus?bio, a descer do avi?o, o tarso da Am?lia, trazido num sacr?rio de vidro, a Senhora de F?tima, toda embrulhada em suplementos do "Expresso", para n?o se partir -- h?-de vir o dia em que, com tantas viagens de acompanhamento da Selec??o, o servi?o de bagagens venha dizer, com ar pesaroso, que aquilo se converteu num monte de cacos, mas que podem enviar uma reclama??o ? administra??o, para pedir uma devolu??o, em dinheiro...
    Enfim, nos Campos El?sios, mostravam as c?maras, at? havia mulheres, "gaijas", como eles dizem, que, entretanto, merc? do amadurecimento nacional, j? come?aram a perceber que aquilo ? mais um espa?o para, as que ainda o n?o t?m, ca?ar marido, e as que o j? t?m, impedir que eles v?o depois ?s putas, que estas coisas andam sempre para a par.

    Tamb?m me lembrei da Dona Lurdes e do Mariano Gago: filhos, deixai-vos de aleivosias, e apostai antes no que est? a dar: cada jovem, em idade de constru??o, n?o tem mais nada do que aquilo na cabe?a, substituir os pontap?s na av? por uns quantos chutos na bola, sucesso r?pido, merc? de pavonear um aspecto f?sico que ele, e as c?maras, acham incompar?vel, -- neste pa?s j? fomos todos toureiros, somos agora todos futebolistas e modelos, e o problema da Est?tica, a duvidar, desde Baumgarten, est? ali todo resolvido, no garbo de alguns pares de pernas curvas e canejas, e numa m?ozada de gel, a cuspir no ch?o -- arranjar depois uma "barbie", para mostrar que se n?o tem... enfim... defeito, mas uma "barbie" igual ? dos outros, claro, para se mostrar que tamb?m se ? como o outro -- ah, a l?gica da protec??o de grupo, como j? estava tudo nos estudos do comportamento animal!... -- e demonstrar, a quem entende do assunto, que o prot?tipo da l?bido deles n?o vai al?m de uma coisa parecida com a Cinha Jardim, uma andaluza, mas nascida no Bairro do Zambujal, descolorada, e no sentido do louro, para parecer uma n?rdica, e em cabeleireiros bem mais caros, e j? apta para desempenhar a fun??o do "buraco", ou seja, de baliza, depois da meia-noite, quando t?m tempo para l? ir, durante os c?lebres dois minutos. Tudo o resto contar?o como "penalties", e sempre por fora.
    A partir da?, como dizia o Baudelaire, ser?o s? luxos, calma e vol?pia, altos carros, altas gajas, brutas vivendas, altas vidas e meio neur?nio. O sonho de cada Portugu?s ?, afinal, tornar-se igual ?quela d?zia de suburbanos, e o resto s?o cantigas, choques tecnol?gicos, investimentos virtuais e pseudo-reformas de 500 irrecuper?veis anos de atraso.

    Ao lado deste cortejo todo, seguiam dois dos meus ?dolos, S?crates e Cavaco, o primeiro, a representar a mis?ria presente, o segundo, a testemunhar a mis?ria passada. Salazar sonhara com um pa?s sepulcral de monumentos e gentes servis, a calcorrearem longas estradas estreitas, calcetadas com paralelip?pedos de basalto e granito; estes sonharam com uma enorme Marginal, mal betuminada, com umas quantas cargas de bet?o ? volta, e um enorme descampado -- at? Espanha -- nas traseiras.
    Mais grave do que tudo isto, ? que eu estou para aqui a ladrar estas evid?ncias, e tamb?m j? perdi 15 minutos do meu tempo, que at? s?o equivalentes aos dois meses em que esta porcaria ainda parou mais do que j? estava parada: e, enquanto n?s nos entretiv?mos nisto, todos os pa?ses, que andaram fora deste disparate, nos ganharam mais dois meses de avan?o, e, no que a mim respeita, algures, num pa?s civilizado, diante de um computador, eventualmente id?ntico ao meu, algu?m tamb?m me ter? descaradamente passado, com um sorriso, malandro, 15 minutos ? frente.

    Acontece.

Responder





Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» Mestrado em Informação e Jornalismo em Braga - In...
» Sobre os arquivos audiovisuais das televisões
» É possível criticar os media nos próprios media?
» Moniz comenta posição da ERC
» Reportagem RTP "Quando a violência vai à escola" é...
» "To google" entra no dicionário
» De como certas fontes marcam a agenda jornalística...
» Jornalismo?
» "Moralmente repugnante"
» Debate sobre os media católicos no Clube de Jornal...

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates