Weblogue colectivo do projecto Mediascópio - CECS / Universidade do Minho | RSS: ATOM 0.3 |



Presidenciais americanas 2004 - blog do "Público" Também o Público acaba de aderir aos blogs. Afinal é o jornal que há largos meses mais atençao lhes presta, com uma súmula do Ponto Media, ao sábado, e com múltiplos trabalhos no suplemento Computadores, nomeadamente de Pedro Fonseca. Mas nao só adere aos blogs como também aos blogs temáticos sobre as eleiçoes americanas. "Presidenciais americanas 2004" abriu há mais de um mês, mas só agora o descobri.

0 commentário(s)

Consumo de TV no mundo aumentou em 2003 - Portugal consome hoje mais 37 minutos do que há dez anos O Eurodata TV apresentou ontem no MIP TV, em Cannes, o estudo "One television year in the world - 2004 issue" que indica que o consumo de televisao, analisado através de 600 canais em 75 territórios de várias zonas do mundo, cresceu em média cerca de um quarto de hora, ao longo de 2003. Uma vez que este tipo de relatório é feito na Europa desde há dez anos, o estudo deste ano compara os dados obtidos em 2003 com os de 1993. Portugal nao é o maior consumidor, mas é um dos maiores: "For the past 10 years, in Europe, the average daily viewing time by individual has gone from 185 to 206 minutes per day (+21 minutes). The biggest TV consumers in Europe, are the same today as ten years ago : Greece, Italy, United Kingdom and Spain. In comparison with 1993, Greeks watch TV on an average of 50 more minutes than 10 years ago. Finland (+ 43 minutes), the Netherlands (+ 40 minutes) and Portugal (+ 37 minutes) have also recorded a significant increase." Comentando estes resultados, escreve hoje o jornal espanhol ABC: "Los que auguraban el ocaso de la televisión, especialmente entre el público más joven, como el mayor vehículo de ocio y entretenimiento parecen no andar sobrados de razones."

0 commentário(s)

Portugal é dos países da UE que menos financia a televisao pública Com este título, o jornal El País, na sua ediçao de ontem (acesso mediante assinatura paga), fazia alusao a um estudo esta semana divulgado pela Associaçao de Televisao Comercial Europeia segundo o qual os países da UE atribuiram, nos últimos cinco anos, 82.200 milhoes de euros em ajudas dos orçamentos dos Estados aos canais de serviço público. Segundo o estudo, a indústria audiovisual europeia é a terceira mais subsidiada da Europa, a seguir à dos transportes e à manufactureira, cobrindo os governos centrais ou autonómicos dos 15 países da Uniao 70 por cento dos orçamentos dos canais. O financiamento do Estado é maior na Suécia (com 92 por cento), na Dinamarca (91) e Alemanha (84) e menor na Dinamarca (27), Irlanda (37) e Portugal (40). O sistema de duplo financiamento das televisoes públicas leva, na opiniao dos operadores privados, a um enviesamento no mercado publicitário, agravado com estratégias de contra-programaçao e com a entrada vantajosa em novos negócios como a Internet. Pinto Balsemao é citado no trabalho de El País como tendo comentado, com ironia, estes dados: "A conclusao lógica do nosso estudo é que os operadores privados devem renunciar, no futuro, a financiamentos comerciais sempre que receberem ao mesmo tempo ajudas do Estado".

0 commentário(s)

"24 Horas" ultrapassa DN e "Correio da Manha" o JN O "Correio da Manha" passou para a frente do"Jornal de Notícias" e o "24 Horas" terminou o ano à frente do "Diário de Notícias" que, por sua vez, se "atrasou" relativamente ao "Público". Estes sao os dados sobre as tiragens (que nao se podem confundir nem com vendas nem com audiências), relativos ao ano de 2003, que acabam de ser divulgados pela APCT - Associaçao Portuguesa de Controlo de Tiragens. Em números: 1. "Correio da Manha": 110.750 2. "Jornal de Notícias": 102527 3. "Público": 54306 4. "24 Horas": 47575 5. "Diário de Notícias": 47131. O "24 Horas" foi o diário que, percentualmente, mais cresceu em 2003: 27,55 por cento.

0 commentário(s)

Caso Jayson Blair tem um site Acaba de ser criado e aberto por Kieren McCarthy, um jornalista free lance britânico, o site jaysonblair.com que "plans to outline the case, show what happened, how, why and what effect this has had and will have on the media in general". No botao "The latest" pode encontrar-se uma actualizaçao de desenvolvimentos sobre o caso que se assemelha a um weblog. Para se ter uma ideia do que está para vir: "There is a huge amount of material to go through and make sense of so this is very much a project in progress. As of this moment, [the lies] section is half-done and [the case] section started. [the latest] part is a collection of the occasional updates that have previously made up this site".

0 commentário(s)

A Educaçao para os Media na Europa Até 16 de Abril estao abertas as inscriçoes para participar numa conferência internacional que deverá ser a mais importante iniciativa no âmbito da educaçao para os media na Europa. Decorrerá em Belfast, Irlanda do Norte, de 13 a 15 de Maio próximo. Um panorama geral das questoes a debater pode ser consultado AQUI.

0 commentário(s)

"Jornalismo, Ciências e Saúde" Estão já abertas as inscrições, com e sem comunicação, para o II Congresso Luso-Brasileiro de Estudos Jornalísticos/IV Congresso Luso-Galego de Estudos Jornalísticos, que decorrerá na Universidade Fernando Pessoa, Porto, nos dias 17 e 18 de Março de 2005. O evento será subordinado ao tema genérico "Jornalismo, Ciências e Saúde". O programa do congresso, modo de inscrição, call for papers, etc., podem ser consultados no site do congresso.

0 commentário(s)

O Poynter tem uma interessante cronologia com a história dos media digitais e da Internet desde 1969 até 1998, data em que foi inicialmente publicada. A evoluçao dos meios digitais deu-se na sequência da evoluçao da internet e por isso foram criadas duas secçoes paralelas: Tecnologia e Media. Dica do Cyberjounalist.net

0 commentário(s)

Balanço crítico da Provedora do DN em fim de mandato Estrela Serrano escreve hoje a sua última coluna como Provedora do Leitor do DN, terminando assim um mandato de três anos. É um texto importante, multifacetado, que merece debate. Deixo aqui a sua parte final: "(...) a sensação que mais permanentemente acompanhou a provedora ao longo destes três anos foi a de que, apesar das sofisticadas técnicas de conhecimento das audiências, os jornalistas ou não conhecem os seus públicos (que não se confundem com as audiências) ou os ignoram. A ideia de que os jornalistas escrevem, sobretudo, para as suas fontes, para os seus pares e para as suas hierarquias continua a revelar-se pertinente."

0 commentário(s)

New York Times continua sob o "fogo" da crítica Howell Raines, ex-editor do New York Times, que abandonou o jornal na sequência do escândalo de Jayson Blair, vem lançar perguntas inquietantes sobre o jornal em que trabalhou, num extenso artigo a publicar no próximo mês pela Atlantic Monthly. The Guardian publica hoje um trabalho sobre esse texto, em que sustenta que a acalmia que sucedeu à entrada em funçoes do novo editor e às medidas entretanto adoptadas pelo NYT pode terminar com as questoes suscitadas por Raines. O ex-editor "warns that the paper is set on a path toward irrelevance". Dá a entender ter sido derrotado por uma "cultura jornalística" ultrapassada, prevalecente naquela verdadeira instituiçao norte-americana: "Serious journalism did not have to be restricted to traditional sombre subjects", refere. "We had to be as good on popular culture as we were on high culture."

0 commentário(s)

A TV e a sociedade (portuguesa): "Prós e contras" O programa "Prós e contras", coordenado e apresentado pela jornalista Fátima Campos Ferreira, trata hoje, num formato um pouco diferente do habitual, da relaçao entre a televisao (e os media) e a sociedade. Partindo de uma sondagem de que o jornal Público apresenta os principais resultados, o programa compreende três partes: uma entrevista ao presidente da RTP, Almerindo Marques; um debate em que participam representantes dos principais partidos políticos, e um outro debate com a presença do presidente do Observatório da Comunicação, Rui Cádima, do director do Público, José Manuel Fernandes, e dos críticos de televisão Eduardo Cintra Torres e Miguel Gaspar.

0 commentário(s)

E os colunistas? Daniel Okrent, provedor ("public editor" do jornal "The New York Times" aborda, na ediçao de hoje ("The Privileges of Opinion, the Obligations of Fact"), a questao de saber se as pe´ças dos colunistas do jornal deveriam estar sujeitas à mesma política de correcçoes que a restante matéria jornalística publicada. Okrent cita um memo recente da editoria respectiva que defende a prática tardicional de que devem ser os próprios colunistas a corrigir matéria factual ou citaçoes deficientes, por exemplo. Mas, pergunta o "public editor": "who is to say what is factually accurate? Or whether a quotation is misrepresented? Or whether facts are used or misused in such a fashion as to render a columnist's opinion unfair? Or even whether fairness has anything to do with opinion in the first place? Can you imagine one of the Sunday morning television screamfests instituting a corrections policy?". Ler a resposta AQUI.

0 commentário(s)

Uma achega mais Escreve Armando Rafael, no Diário de Notícias, sobre a gestao da informaçao, na sequência dos atentados de 11 de Março : "(...) muito do que hoje se sabe sobre a autoria e a natureza dos atentados partiu das informações que o Centro Nacional de Inteligencia (CNI) foi passando nesses dias, directa ou indirectamente, à Cadena SER, contrariando as teses de Aznar e do Governo. Uma escolha que é tudo menos inocente, a três dias de umas eleições gerais, conhecidas as relações entre a SER e o PSOE, ou não fosse aquele cadeia de rádio parte do grupo Prisa. Como o El País. Significa isto que a SER e o El País mentiram, beneficiando o PSOE, em detrimento do PP? Não, significa apenas que, colocado perante a necessidade de se distanciar do Governo, o CNI optou pela oposição. Ao ponto de ser hoje mais do que evidente que o PSOE teve, entre os atentados e as eleições, tantas ou mais informações do que o Governo e o PP. Informações que não deixou, naturalmente, de passar à SER e ao El País, de resto os dois meios escolhidos por Zapatero para as suas duas primeiras entrevistas pós-eleitorais". Ler o artigo AQUI.

0 commentário(s)

C. Bernstein: jornalismo "insulta a inteligência" Carl Bernstein, um dos jornalistas que desvendaram o caso Watergate acusa os media de "fazer triunfar a epidemia da cultura da idiotice". Numa conferência proferida há dias na Florida, Califórnia, aquele jornalista acusou o jornalismo actual de "insultar a inteligência e ignorar a vida real". Polémicas pré-fabricadas, ligeireza, cultura do jet-set, sensacionalismo seriam alguns dos sintomas da cultura idiota, em que o que interessa já nao é a procura da verdade, mas a procura do lucro.

0 commentário(s)

El País, Aznar e a informaçao sobre o 11 de Março O diário El País publica hoje uma série de documentos que constituem mais achas para a fogueira do debate sobre quem mentiu e quem manipulou a informaçao sobre os atentados, nos dois ou três dias imediatos ao 11 de Março.O ministro porta-voz do Governo em funçoes enviou anteontem ao director do jornal uma carta em que o acusa de ter mentido sobre a conversa telefonica que Aznar teve com ele no próprio dia 11. Diz a carta que o chefe do Governo falou em "hipótese principal" e que foi o director de El País que "apontou ao presidente do Governo de que o bando terrorista é que era o autor dos atentados". Jesus Ceberio reafirma que quem mente é Aznar e socorre-se do que Aznar disse aos restantes directores dos media a quem ele telefonou na mesma altura (e que confirmam grosso modo a versao de El País). "De puro ridiculo el argumento no merecería comentariosi no formara parte de un esfuerzo continuado del presidente saliente por tratar de demostrar que él no ha mentido, ni manipulado, ni ocultado información" - escreve Ceberio, para perguntar: "Puede alguién imaginar que el director de un periódico exprese su convicción acerca de la paternidad de un atentado frente a un preidente del Gobierno que con todas las fuerzas de seguridad bajo su mando la maneja sólo a título de hipótesis principal? De puri absurdo es una mentira que se deshace por sí sola".

0 commentário(s)

O que é o jornalismo e que relaçao podem ter com ele os weblogs? Jay Rosen, um estudioso e activista do jornalismo participativo, vai coordenar uma sessao no próximo BloggerCon, na semana a seguir à Páscoa e produziu um texto - No One Owns Journalism - e um conjunto de questoes que podem ser objecto de contributos dos leitores, através do seu weblog. As questoes serao 20. Para já, Rosen enunciou 10 (aguardando contributos para as restantes): "1. Why do we say that weblogs have given the people the power of the printing press? 2. And if that's true, how does the weblog alter the public's dependence on "the press" and professional journalists? 3. What really distinguishes journalism as a practice and in what portions of the practice can citizen authors rightly, effectively share? 4. What makes the weblog a potent tool of journalism and what are its potential uses? 5. As a new platform for journalism, what does the World Wide Web offer the practitioner, the practice, the press? 6. What does a Web journalism competently done by citizens actually look like, where do we find it, and where can we imagine it going in the years ahead? 7. What lessons in excellence, competence and public service can the profession of journalism teach to citizens, amateurs, webloggers-- and to us at BloggerCon? 8. What does it mean for a weblog with journalism in it, authored by a member of the public, to have a public and to serve a public good? 9. Which goods are worth serving for webloggers doing a kind of journalism? 10. How do we understand the independence of webloggers and their voices if these voices mainly comment (and thus depend) on news and other material originated by the major media? What's so independent about that?"

0 commentário(s)

Recordando Neil Postman Jay Rosen transcreve no seu blog a evocaçao que fez do seu mestre e colega Neil Postman, há meses falecido, numa homenagem que ontem foi prestada pela Universidade de Nova Iorque. Por esta via ficamos também a saber da existência de um weblog para recordar a acçao e o pensamento daquele grande especialista de "ecologia dos media". Palavras de Rosen: "Of the many, many things Neil was good at, what he was best at was human communication?all forms. Machines he mistrusted on principle. If I try to fathom today what principle he conveyed to me, it is probably this? There aren?t any teachers until there are learners, and there aren?t any learners until something is disturbed in the student?s world."

0 commentário(s)

AACS alerta para "alarmismo" no tratamento das questoes de segurança Numa declaraçao sobre a cobertura jornalística das questoes de segurança, ontem aprovada por unanimidade, a Alta Autoridade para a Comunicaçao Social alertou para os riscos de "sensacionalismo" e de "alarmismo", bem como para o risco de os media se tornarem "protagonistas" das matérias que tratam. No comunicado, a que o site da AACS nao faz, ainda hoje, qualquer referência e que esta tarde foi divulgado pelo Sindicato dos Jornalistas, a Alta Autoridade reconhece que os acontecimentos de Madrid "foram em geral reportados com cuidado e respeito pela dignidade humana". O resumo da declaraçao encontra-se sumariado nos seguintes pontos: "1. Os 'media', no respeitante aos temas do terrorismo, da segurança e da prevençao contra hipotéticos actos atentatórios da liberdade, da democracia e dos direitos fundamentais, têm a obrigaçao de cumprir o seu dever de informar com o maior rigor, abstendo-se de cair no sensacionalismo, no alarmismo e na criaçao ou no alimento de pânico injustificado entre a populaçao. 2. Os 'media', nesta matéria, terao sempre de privilegiar a informaçao factual, credível e confirmada, recusando especulaçoes subjectivas designadamente assentes em medos sociais inconscientes ou irracionais, ou em expectativas catastrofistas nao baseadas em elementos seguros. 3. É ainda imperioso que a comunicaçao social se limite à sua funçao própria, que é a de informar, ou seja, a de descrever eventos reputados relevantes e que lhe sao exteriores, furtando-se à tentaçao de ser protagonista e de intervir ou modificar a realidade com o fim de suscitar pretensos factos, e assim, por acréscimo, pretensos perigos noticiáveis."

0 commentário(s)

Os desafios do ciberjornalismo O Prof. Xosé Lopez, decano da Faculdade de Ciências da Comunicaçao da Universidade de Santiago de Compostela, profere amanha, na Universidade do Minho, uma conferência subordinada ao tema «Os desafios do ciberjornalismo». A iniciativa, promovida pelo Departamento de Ciências da Comunicaçao da UM, decorre na sala 2202 do Complexo Pedagógico II, em Gualtar. Xose Lopez é um dos autores da obra Manual de Redacción Ciberperiodistica, recentemente editada pela editora Ariel.

0 commentário(s)

Arriscar compensa? A decisão pioneira do jornal britânico Independent de publicar duas versões da edição diária – uma no formato tradicional em broadsheet e outra no formato tablóide – com os mesmos conteúdos (ver post de 26 de Setembro neste blog) está a trazer tão bons resultados ao nível das vendas que os próprios responsáveis do jornal ficaram surpreendidos. De acordo com notícias publicadas hoje no Independent, no Guardian, e no Times, o diário britânico “está mesmo a ponto de se tornar rentável pela primeira vez em mais de uma década”. Ivan Fallon, chief executive da empresa Independent News & Media UK, afirmou que o investimento associado a esta operação “foi o dinheiro mais bem gasto” pela administração. O lançamento da versão em formato tablóide (ou formato compacto) fez com que o jornal obtivesse a maior circulação registada desde 1997, e a maior quota de mercado (11,7 por cento) deste Abril de 1996. A hipótese de suspender a edição em formato broadsheet está em discussão, embora os responsáveis do jornal admitam que serão os leitores a ditar o seu futuro. A verdade é que, cinco meses após o início da edição compacta, cerca de 75 por cento dos leitores do Independent preferem comprar esta versão.

0 commentário(s)

Os atentados de Madrid nos canais portugueses Entre o dia 11 e o dia 22 deste mês, foram emitidas nos quatro canais de sinal aberto 344 notícias relacionadas com os atentados de Madrid, com uma duração superior a 13 horas e 55 minutos, segundo dados do MediaMonitor da Marktest. A RTP1 e a TVI foram os canais que emitiram um maior número de notícias sobre este tema (respectivamente 111 e 105). A SIC emitiu 96 notícias e a Dois ficou-se pelas 32.
Analisando a evolução do número de notícias emitidas sobre este tema por estes 4 canais entre os dias 11 e 22 de Março, observa-se que no dia 11 a TVI emitiu um maior número de notícias (34), seguida pela RTP1 e pela SIC (27 notícias cada). A Dois emitiu 6 notícias no dia dos atentados. Até ao dia 13 o número de notícias diminuiu consideravelmente, aumentando novamente no dia 14, dia das eleições legislativas espanholas.
Refira-se, por outro lado, que os atentados de Madrid fizeram subir de forma acentuada as notícias relacionadas com a segurança, em especial as relativas ao Euro 2004. Ainda segundo o MediaMonitor da Marktest, das 1151 notícias emitidas de 8 a 14 de Março, 528 (cerca de 46%) foram relativas à Organização e Segurança, 59.34% (683 notícias) publicadas pela Imprensa, enquanto que a Televisão emitiu 260 notícias (22.59%) e a Rádio 208 (18.07%).

0 commentário(s)

Quem vê que canal? Os dados do Audipanel da Marktest sobre o perfil dos shares dos canais abertos relativos ao mês de fevereiro último acabam de ser conhecidos. É mais um mês - em que, globalmente, a SIC desce um pouco, a TVI passou a liderar e a RTP1 subiu - mas dá para analisar alguns padroes de comportamento que permitem observar pormenores curiosos, como seja a preferência da SIC por parte dos segmentos mais jovens e a preferência da RTP por parte dos mais idosos ou a maior impalantaçao de A Dois entre as crianças e os telespectadores de nível socioeconómico mais elevado.

0 commentário(s)

"Jornalismo pode ter um futuro sombrio" António Brasil comenta, no site "Comunique-se" (acesso mediante registo), o mais recente estudo "The State of News Media 2004", do Project for Excellence in Jornalism: "Em um cenário de mudanças, as perspectivas imediatas, principalmente para os jornais e os noticiários televisivos, são consideradas “sombrias”. Estamos diante de um verdadeiro “círculo vicioso”. Os empresários do setor investem somente na distribuição e convergência de mídias, ao mesmo tempo em que “enxugam” as redações dos grandes veículos. O público, que não é bobo, responde a essas iniciativas se afastando do jornalismo tradicional. Constata-se uma crescente desconfiança em relação aos objetivos e a própria competência da imprensa. O mundo está cada vez mais complexo e a grande imprensa insiste em soluções simples. O índice de credibilidade da grande imprensa junto ao público americano caiu de 72 % em 1985 para cerca de 49 % em 2002. Por outro lado, 67 % dos americanos acreditam que a imprensa tende a ocultar seus próprios erros. O relatório também indica que o papel e a capacidade do jornalista enquanto mediador de informações estão sendo colocados em dúvida. Existe uma cultura evidente de acomodação por parte de jornalistas que se consideram “donos” absolutos da informação. Apesar de “explorados” ou “despreparados”, muitos jornalistas se recusam a enfrentar esse cenário de mudanças. Culpa-se tudo, menos a própria competência. Mas o consumidor de notícias, em vez de se contentar com a alienação e excessos de uma cultura de entretenimento, parte em busca de alternativas informacionais."

0 commentário(s)

Política, mentiras e...Internet Quem manipula quem? Quem fala verdade? Quem domina ou irá conseguir impor a interpretaçao "correcta" dos acontecimentos? Estas e outras perguntas estao no centro do debate em Espanha e em muitos outros países, na sequência dos atentados de Madrid e dos resultados das eleiçoes de 14 deste mês. Vasco Graça Moura defende que "a questao do Iraque só se tornou eleitoralmente explosiva pela associaçao com a chamada 'mentira de Estado' que a esquerda conseguiu, com incrível rapidez, improvisar, encenar e fazer alastrar no dia 13 de Março", sugerindo, por conseguinte, que os resultados eleitorais tenham sido influenciados por uma manipulaçao da esquerda. Nao se pode ser ingénuo a ponto de nao admitir que pode ter havido interesses partidários envolvidos nas movimentaçoes da véspera eleitoral, dia de "reflexao" (que curiosamente serviu para El Mundo publicar uma entrevista de fundo com Mariano Rajoy e para a Televisao publica contra-programar um documentário sobre o terrorismo da ETA). Provavelmente a dimensao e a natureza do que se passou terá de aguardar algum tempo para que se possa fazer a respectiva arqueologia. Uma coisa parece provavel: terá havido movimentos sociais de tipo novo, no que se passou em Espanha no dia 13, a partir do meio da tarde. E a este propósito, valerá a pena ler: - de Manuel Castells, o texto "Movil-ización política" (La Vanguardia, 20.3 - exige subscriçao prévia); - de Karma Peiró, Las vueltas que da un bulo (Enredando); - de Alejandra Ruiz-Hermosilla, "Pásalo!" (La Razón) - Aznar arremete, sin nombrarlos, contra la Cadena SER y El País. Karma Peirá reconstitui, no texto citado, o trajecto de um boato ("bulo"). Outro boato é o de que, a exemplo do que se passou na TVE e na agência EFE, também na Cadena SER (Grupo Prisa), que teve um papel fundamental na divulgaçao de informaçoes que mais nenhum órgao difundiu e que foi acusada de acicatar as manifestaçoes frente às sedes do PP, também aí, dizia, se terá verificado contestaçao interna dos jornalistas contra alegados actos de manipulaçao , por parte de chefias. Em diversos sites figura mesmo o texto de um assim intitulado "Manifiesto de la Gan Vía", que refere expressamente esses actos. Dois jornais regionais terao dado acolhimento a tal texto, um deles em primeira página, mas sem verificar a sua autenticidade. A Cadena Ser inseriu, entretanto, no seu site, uma nota de imprensa em que considera que se trata de " una fabulación absoluta, y todo lo que en aí se afirma desde la primera a la última línea (...) una patraña". Assim vao os ambientes, no país vizinho.

0 commentário(s)

Blog Census O site Blog Census rastreia actualmente 1.785.336 blogs, dos quais 1.178.336 activos. Recorrendo a uma ferramenta que analisa o idioma de todos aqueles que têm, no seu conteúdo, no mínimo 500 caracteres, obtém o ranking seguinte: English - 1113405 Portuguese - 76870 Farsi - 63051 French - 50876 Polish - 42574 German - 23985 Spanish - 20431 Italian - 9878 Chinese-big5 - 8067 Dutch - 7162 Icelandic - 6291 Catalan - 5408 Indonesian - 4219 Chinese-gb2312 - 3754 Esperanto - 3192 Japanese - 3049 Malay - 2938 Thai - 2421 Danish - 2207 Latin - 1333 Czech - 1205 Finnish - 1172 Swedish - 1113 Korean - 1096 Breton - 109

0 commentário(s)

História dos spots eleitorais nos EUA O Americam Museum of Moving Image tem disponível "The Living Room Candidate", uma retrospectiva das campanhas de propaganda dos candidatos â presidência dos EUA desde 1952 até finais dos anos 90 (está anuniciada uma actualizaçao para breve). Pode ver-se um total de perto de duas centenas de anúncios digitalizados, acompanhados de contextualizaçao, análises e resultados de cada uma das eleiçoes.

0 commentário(s)

"Comunicaçao do humor" É esse o tema do nº 7 da revista Cuadernos de Información y Comunicación, editada pelo Departamento de Periodismo III, da Universiddade Complutense de Madrid, quase integralmente acessível online. Destacaria os artigos: - El humor como medio cognitivo, de Eva Aladro - El humor gráfico del franquismo y la formación de un territorio translocal de identidad democrática, de Cristina Peñamarín - Humor verbal y hiumor de situación, de Felicísimo Valbuena de la Fuente.

0 commentário(s)

Ainda sobre a declaraçao do director de El País Numa aula de mestrado, ontem à noite, na U. Autónoma de Barcelona, o caso foi debatido e havia um forte sector que considerava que Jesus Ceberio só assumiu o erro mais de uma semana depois do caso, na sequência de muitos protestos de leitores, e a pedido da "defensora del lector" daquele diário. Por tudo isso, deveria demitir-se. A verdade é que outros órgaos de comunicaçao foram ainda mais longe na ausência de questionamento sobre a garantia (no mínimo imprudente) dada por Aznar de que a autoria dos atentados era sem sombra de dúvidas da ETA, e nem sequer vieram reconhecer o erro ou pedir desculpa.

0 commentário(s)

Falar claro James Taranto, no Opinion Journal ( The Wall Street Journal Editorial Page)"This morning brought happy news in the global war on terror: Sheikh Ahmed Yassin, the genocidal maniac who serves as Hamas's "spiritual leader," is dead, killed by an Israeli missile strike. (...) The Middle East Media Research Institute quotes Yassin as saying in a 1998 ineterview: "The day in which I will die as a shahid [martyr] will be the happiest day of my life." So this is a happy day for everyone. (...) Everyone, that is, except the Europeans, including even Prime Minister Tony Blair, who lined up to condemn Israel."

0 commentário(s)

Director de El País pede desculpas aos leitores e à sua própria Redacçao É um documento para guardar, o depoimento que o director do El País, Jesús Ceberio, deu à provedora do jornal e que esta transcreve na sua coluna de ontem. Refere-se à decisao sobre a manchete da ediçao especial do jornal, no dia dos atentados de Madrid: "A todas luces, fue un grave error cambiar el titulo com el que había decidido encabezar la edición especial del jueves 11 de marzo: Matanza terrorista en Madrid. Un error que asumo en su totalidad. Lamento que esa decisión equvocada haya podido contaminar el formidable esfuerzo profesional llevado a cabo desde primera hora de la mañana por una Redacción que fue capaz de superar su propria conmoción para elaborar 19 páginas de información rigurosa: textos, imágenes que han dado la vuelta al mundo, infografías y diseño. (...) Poco antes de la una de la tarde decidí llamar al secretario de Estado de Comunicación, Alfredo Timmermans, para obtener un contraste directo con el Gobierno. Me annunció que en unos diez minutos iba a comparecer el ministro de Interior, Ámgel Acebes, para informar de que ETA era la autora de la cadena de atentados sin ningún género de dudas. Apenas unos minutos más tarde recibí una llamada del presidente del Gobierno, José Maria Aznar, que en una breve conversación telefónica (no más de un minuto, probablemente) me garantizó la autoría de ETA, con total rotundidad. No se trataba de una convicción o una deducción lógica, era una asseveración en términos absolutos. 'Tenemos la seguridad de que ha sido ETA. Lo han intentadi en dos ocasiones, y a la tercera, desgraciadamente, lo han conseguido'. Añadió que las versiones que empezaban a apuntar hcia otro tipo de terrorismo nacían del propio entorno de ETA para desviar la atención. Nunca antes, en sus ocho años de presidente del Gobierno, me había llamado Aznar por teléfono para darme una información. A poco más de cinco horas del atentado más grave ocurrido nunca en nuestra história, la palabra del presidente me pareció garantía suficiente para cambiar el título de primera página, que pasó a ser: Matanza de ETA en Madrid. Está claro que me equivoqué y, por ello, debo disculpas a los lectores y también a la Redacción, en cuyo descargo señalaré que las diversas informaciones incluidas en ese ejemplar no descartaban la hipótesis del terrorismo fundamentalista islámico (...)".

0 commentário(s)

Curso de Jornalismo da UP lança jornal online Está disponível, desde hoje, o jornal online multimédia do Curso de Jornalismo e Ciências da Comunicação da Universidade do Porto, desenvolvido por um grupo de 15 alunos, no âmbito das disciplinas de Ateliers de Jornalismo e Seminário. A equipa organiza-se numa redacção que, ao longo de um turno de sete horas por dia, de terça a sexta (por razões de calendário escolar) actualiza a informação. O jornal tem carácter generalista, para familiarizar os alunos com uma variedade de temas, embora o seu universo preferencial seja a Universidade do Porto. Este projecto multidisciplinar tem a participação e o apoio de docentes de Jornalismo, Informática e Design.

0 commentário(s)

"Ipsis Verbis" Judite de Sousa, no JN: "Um erro clamoroso" Num tempo de comunicação global, não há espaço para a mentira. Mentir não é apenas não dizer a verdade. Mentir é omitir informação. É adiar informação. No plano da gestão da comunicação, esta é a grande lição que há a retirar do que aconteceu em Espanha, na última semana. O Governo do PP não actuou com transparência e pagou por isso. Foi castigado por isso. Os políticos que subestimam as suas opiniões públicas, que julgam que controlando a informação conseguem orientar os espíritos e influenciar as ideias e os votos, estão profundamente enganados. Esse tempo não existe mais. O único caminho possível é o da verdade. Paquete de Oliveira, no JN: "As liçoes de Espanha": "Confunde-me a sapiência de tantos experts em terrorismo, cuja regra de oiro para exterminá-lo é: matai todos os terroristas. E espanta-me como, num tempo destes de forte mediaticidade sobre todos os acontecimentos, ainda haja poder em governos que pensam ser possível manipular as gentes para ganhar eleições. O que não tentarão fazer sem ser descobertos."

0 commentário(s)

Raul Rivero e companheiros presos por delito de opiniao em Cuba Faz hoje um ano que, aproveitando o facto de os focos mediáticos estarem voltados para a iminência da guerra contra o Iraque, o regime de Fidel Castro prendeu várias dezenas de intelectuais, escritores e jornalistas. Um deles é Artur Rivero, a quem a UNESCO concedeu, já este ano, o prémio da Liberdade de Imprensa. Conta hoje Le Monde que, todos os domingos, Blanca reyes, esposa de Rivero, veste-se toda de branco e dirige-se à igreja de Santa Rita, na zona de Miramar, em Havana. Aí se encontra com as esposas de outrops dissidentes igualmente presos, também elas todas de branco vestidas. E esta é a única forma de protesto silencioso que o regime permite.

0 commentário(s)

Mudanças na legislaçao sobre os media na Suiça Na sequência de um processo que se arrastou por quatro anos, o parlamento suiço acaba de aprovar uma nova lei para o sector dos media, que provocou grande celeuma entre os deputados, numa sessao que se prolongou por 19 horas. Segundo os relatos divulgados, a nova lei, que ainda precisa de passar no Senado para se tornar efectiva, traz fortes vantagens para os canais privados de televisao, mantendo uma situaçao de protecçao para o serviço público. Segundo a lei, a publicidade a bebidas alcoólicas e a propaganda política e religiosa passam pela primeira vez a ser permitidas nas rádios e televisoes privadas. Actualmente, cerca de 90 por cento dos lares suiços têm acesso ao cabo e, por esta via, a quase 50 canais.

0 commentário(s)

Dar a resposta independentemente da pergunta Um dos correspondentes do Libération que acompanha a pré-campanha eleitoral norte-americana, Pascal Riché, revelou há dias no seu blog ("La Course à la Maison Blanche") um documento interno da administraçao Bush que, nao trazendo muito de novo, tem o mérito de escancarar os métodos de certo marketing político. E tem ainda o mérito de alertar os jornalistas para a importância de estarem dentro dos assuntos quando fazem entrevistas, para nao comerem - nem darem ao público - "gato por lebre". (O documento interno vem transcrito no livro de Ron Suskind, The Price of Loyalty e inclui um dossier -The Bush Files - constituído por um vasto conjunto de documentos do ex-secretário de Estado do Tesouro de George W. Bush, que abandonou o cargo ao fim de dois anos de mandato).

0 commentário(s)

"Outsourcing" também no jornalismo Steve Outing observa hoje, no E-Media Tidbits, que o "outsourcing" já nao é só uma matéria sobre a qual os jornalistas escrevem. Eles próprios podem vir a ser afectados pelo fenómeno, se se desenvolver uma experiência nesse sentido que, a título experimental, uma empresa norte-americana está a desenvolver. A Buider.com estaria a reduzir em 40 por cento o orçamento com free lance, utilizando o dinheiro para contratar artigos a uma empresa da Índia.

0 commentário(s)

"USA Today" perante nova etapa A American Journalism Review traz, em antecipaçao do seu número de Abril-Maio, um artigo sobre "a próxima geraçao" ou o próximo futuro do jornal USA Today. Vale a pena ler, para perceber os caminhos que um grande jornal, ainda jovem (nasceu nos inícios dos anos 80), prepara para os próximos anos (dica de Romenesko).

0 commentário(s)

Observatório francês dos media O Observatório Francês dos Media inaugura formalmente o seu espaço na Internet e anuncia ao seu plano de actividades numa sessao a ter lugar no próximo dia 30, em Paris. A sessao coincidirá com o debate de encerramento do festival "Imagens em Movimento" organizado pela ATTAC a partir de terça-feira próxima, centrado no tema «Médias : y-a-t-il un courant alternatif ?».

0 commentário(s)

Primeiras páginas de 12 de Março A Society for News Design - Secçao Espanhola possui no seu site a reproduçao de 12 primeiras páginas de outros tantos diários nacionais e regionais de Espanha, datados do dia 12. Dao bem a ideia da diversidade de critérios editoriais (nao sem algumas surpresas) que presidiram ao tratamento dos atentados terroristas do passado dia 11. Se tivesse que escolher, optaria pela primeira página do desportivo "Marca". E o leitor?

0 commentário(s)

Ainda vale a pena publicar ediçoes especiais em papel? Vários jornais espanhóis publicaram, a meio do dia 11, uma ediçao especial com a informaçao mais recente sobre o massacre de Atocha, em Madrid. Valeu a pena? Faz sentido fazê-lo, quando a Internet se torna, nestas circunstâncias, o espaço mais relevante e actualizado de informaçao? Sob o título "Edicion Extra ... para Nada" o site da Universidade de Navarra Mediaccionline analisa estas questoes, concluindo que esse é um velho reflexo dos jornais que hoje nao se justifica. Motivos: "- Por mucho que acelere su proceso industrial, el producto llega al quiosco completamente viejo, con datos desfasados que han sido y siguen siendo actualizados por los medios inmediatos. - Cuatro horas después de una brutal matanza es lógico que sigan siendo más las preguntas que las respuestas; muchos más los rumores que las certezas. El periódico precipitado, entonces, no puede más que convertirse en un medio de propagación de interrogantes y de hipótesis sin fundamento, cuando no de versiones interesadas y teledirigidas". O melhor jornalismo, aquele que trouxe um valor acrescentado, conclui esta análise, nao foi o que se pôde ler no dia ou na sexta-feira, mas no sabado, em que começaram a surgir as leituras, os editoriais, as cronologias, enfim, a argumentaçao que ajuda a dar significado ao acontecido. E conclui assim: "Frente a otros medios de comunicación, la Prensa ostenta una ventaja que el ciudadano busca: contiene toda la información con un principio y un fin, con línea argumental, con secuencia de contenidos. En otras palabras: el lector entiende el mensaje informativo, que le llega con claridad, orden y concierto."

0 commentário(s)

Reabrem mestrados em Jornalismo e Educaçao para os Media na UM O Departamento de Ciências da Comunicaçao da Universidade do Minho decidiu abrir novas ediçoes de dois dos seus cursos de mestrado: em Informaçao e Jornalismo, por um lado, e em Comunicaçao, Cidadania e Educaçao, por outro. Neste momento está em fase de definiçao o calendário das diferentes fases do processo de abertura, prevendo-se para Junho a abertura das candidaturas. As actividades lectivas terao inicio no fim de Setembro. Estes cursos de pós-graduaçao destinam-se a candidatos licenciados, com classificaçao mínima de Bom (equivalente a 14) e compoem-se de uma parte lectiva de dois semestres, que confere um diploma de especializaçao, e dois semestres para investigaçao em ordem a uma tese que, depois de apresentada e aprovada, confere o grau de mestre.

0 commentário(s)

Várias teses de doutoramento Há dias no jornal La Vanguardia, de Barcelona, um especialista em sondagens (que, por sinal, previu a vitória do PSOE), dizia que o que se passou nas recentes eleiçoes legislativas espanholas relativamente ao comportamento do eleitorado pode ser matéria para várias teses de doutoramento. O mesmo se diga do ponto de vista do jornalismo, do comportamento dos media informativos e da relaçao entre o(s) poder(es) e os jornalistas. Entretanto, dará igualmente "pano para mangas" a luta de interpretaçoes que desde domingo se desenvolve no espaço público, e à escala internacional, sobre o significado a atribuir à vitória dos socialistas e à derrota dos populares. Este nao é um blog de análise política, mas é importante que se digna que os media voltam a ser, neste conflito re-aberto, a principal arena da argumentaçao. Resta saber em que medida ajudam a pensar um problema tao complexo como é a forma mais eficaz de lutar contra o terrorismo.

0 commentário(s)

Portugueses: 99 milhoes de horas na Internet Os dados do Netpanel relativos ao ano de 2003 acabam de ser divulgados pela Marktest. Segundo este relatório, de que a newsletter da Marktest revela alguma informaçao, ao longo de 2003, 1582 milhares de útilizadores únicos visitaram mais de 10364 milhões de páginas, actividade em que ocuparam cerca de 99.3 milhões de horas.

0 commentário(s)

Comissao de Direitos Humanos da ONU: uma "mascarada" "Uma mascarada" - é como a organizaçao Reporteres Sem Fronteiras (RSF) classifica a 60ª sessao da Comissao de Direitos Humanos das Naçoes Unidas, que teve início anteontem em Genebra e se prolonga até 23 de Abril próximo. Explicando o motivo para esta dura posiçao, a RSF explica que entre os 53 Estados que na Comissao têm assento e estao encarregados de fazer com que sejam respeitados os pactos, convençoes e outros tratados sobre direitos humanos, 25 nem sequer ratificaram o conjunto desses documentos. E comenta: "É como se se pedisse a ladroes que presidissem a um tribunal encarregado de julgar outros malfeitores". "Esta Comissao - acrescenta a RSF - perdeu toda credibilidade desde o escândalo provocado no ano passado com a nomeaçao da Líbia para a respectiva presidência".

0 commentário(s)

Seminário sobre a cobertura da guerra no Iraque Está a decorrer durante esta semana um seminário do Western Knight Center for Specialized Journalism (WKC) que junta uma boa parte dos jornalistas que cobriram a guerra no Iraque. Algumas notas do que se vai dizendo e debatendo por lá podem ser lidas no blog "Covering Conflict", especificamente criado para este efeito.

0 commentário(s)

Media espanhóis cúmplices de Aznar É assim que Luiz Carlos Ramos interpreta o que se passou nos últimos dias em Espanha, num artigo publicado no Observatório da Imprensa brasileiro. Escreve: "A tao decantada imprensa moderna da Espanha pós-Franco - quem diria? - pisou na bola. Até o excelente El País, tido como um dos melhores jornais do mundo, deixou-se levar pelo banho de sangue dos atentados de 11 de Março, em Madri, e cometeu um erro semelhante ao de seus concorrentes de Madri, Barcelona, Valencia e outros centros importantes. (...) Aznar tinha motivos para atribuir o crime à ETA, em vez de admitir a possibilidade de ter sido uma reaçao da al-Qaeda à sua decisao de jogar a Espanha na guerra contra o Iraque ao lado dos Estados Unidos de George W. Bush, do Reino Unido de Tony Blair e da Itália de Silvio Berlusconi. A imprensa de um pais evoluído, porém, nao poderia ter caído nessa armadilha.(...)"

0 commentário(s)

Vantagens e desvantagens de divulgar o e-mail É uma matéria delicada e polémica, também nos media portugueses, nos quais existem práticas diversas, mas em que tem sido dominante a tendência de retirar da net os endereços electrónicos dos jornalistas. O assunto é motivo da actualizaçao mais recente da Online Journalism Review (OJR), "Is a Reporter's E-mail Address Really Anyone's Business?", de Mark Glaser: "Many journalists know the feeling. They write something groundbreaking, provocative or controversial, and the next morning they come to work and find their e-mail inbox overflowing with feedback from readers -- not all of it printable in family publications. What should they do? Respond to every single e-mail? Delete the obscene ones? Foist the work onto an assistant?" A OJR já publicou, nao há muito tempo, um outro trabalho que pode ser lido em complemento deste. Intitula-se The E-mail Paradox: Bane and Boon for Journalists' Productivity.

0 commentário(s)

Nova revista sobre comunicaçao Está disponível na web uma nova revista científica intitulada Global Media Journal, publicada a partir do I. Tecnológico de Monterrey (México). Estao previstas versoes noutras línguas, para além do espanhol. Do primeiro número destacam-se dois artigos: - La publicidad como herramienta de las distintas modalidades de comunicación persuasiva. Juan Carlos Rodríguez Centeno, Universidad de Sevilla - La crónica periodística. Evolución, desarrollo y nueva perpectiva: viaje desde la historia al periodismo interpretativo. Juan Carlos Gil González, Universidad de Sevilla.

0 commentário(s)

Ingredientes para se ser um bom jornalista, segundo Henrique Cymerman O correspondente da SIC em Israel e Palestina, Henrique Cymerman, dá hoje uma entrevista ao JN que tem um ou dois motivos de interesse. A dado passo, a jornalista Ana Gaspar pergunta-lhe: "Na sua opinião, qual é o segredo para ser bom jornalista?". A resposta: "Um bom jornalista tem que ser sensível. Antes de profissionais somos seres humanos e as pessoas gostam de ver que há sensibilidade no momento em que se fazem as notícias." Antes, inquirido sobre o facto de se movimentar bem quer do lado israelita quer do lado palestiniano, o jornalista já tinha dado outro contributo para o que será ser bom jornalista: "A única fórmula que existe para ganhar a confiança de ambas as partes é ser honesto". Já no fim da entrevista, Cymerman acrescenta ainda um terceiro aspecto: "Estudei ciências políticas e sociologia e especializei-me em relações internacionais. Mas é um facto que a carreira académica deu-me bases para compreender melhor a situação. E talvez, porque não vim do jornalismo tenha uma visão diferente, que depois se nota no meu trabalho".

0 commentário(s)

Programa do PSOE para o sector audiovisual e multimedia Alguns pontos de um longo documento: - "El PSOE creará un nuevo Ministerio que, bajo la denominación de 'la Cultura y la Comunicación', englobará las políticas de medios de comunicación bajo la perspectiva cultural. - Transformar integralmente la Televisión Publica española, para convertirla en una medio de comunicación de alta calidad y con contenidos prioritariamente orientados hacia la Cultura, la Educación y la Información veraz. Las principales medidas que se adoptarán son: - Creación del Consejo Superior de los Medios Audiovisuales. Capaz de inspirar, de forma independiente, la regulación del espacio audiovisual y de vigilar el cumplimiento de las normas establecidas. - Creación de un Consejo Consultivo y un Centro de Estudios sobre Cultura, Educación y Comunicaci?n Audiovisual, con cometidos de asesoramiento y de observatorio sobre las relaciones entre estos ámbitos, en coordinación con las Ciudades y Comunidades Autónomas. - Acuerdo Estatal para un Código ético por la Dignificación de Contenidos y constitución de la figura del Defensor del Espectador, lo que implicará obligatoriamente a las televisiones públicas y condicionará a las privadas, impidiendo la programación de 'contenidos basura'. - Plan de Choque de Educación en Medios para todos los ciudadanos. - Canales Digitales Públicos de Cultura y Educación. - Acceso a los archivos históricos y documentales de RTVE, estableciendo una zona de documentación y videoteca en la página web de dicho Ente. - Creación de un Departamento de Educación y Cultura en RTVE. - Plan de Inversión en Tecnologías y Contenidos para la Cultura y la Educación, incluyendo de forma integral todos los aspectos relacionados con este ámbito: acceso, conectividad, producción y utilización real de los nuevos medios. - Inversión en I+D+i para el incentivo de productos y servicios multimedia. - Refundación de la TVE Internacional, con contenido específico para la representación mundial de las culturas de España, para la representación de las culturas latinoamericanas y europeas de interés común, con un doble énfasis que sirva para difundir la riqueza patrimonial de ambos continentes a la vez que divulga las vanguardias creativas y las nuevas tendencias culturales y de pensamiento. - Plan de Alfabetización Digital que universalice, entre toda la ciudadanía, el uso activo y operativo de Internet y las nuevas tecnologías de la comunicación, en colaboración con las Ciudades y Comunidades Autónomas". A propósito: um blog referia esta manha que o programa eleitoral do PSOE havia desaparecido do site do Partido. De facto nao consegui descarregá-lo. Mas houve quem nao perdesse tempo a disponibilizá-lo por outras vias. Até porque, como se sabe, muitos votaram em Zapatero convencidos de que ele nunca ganharia. E querem agora saber que medidas propunha afinal para governar.

0 commentário(s)

Sindicato dos Jornalistas propoe alteraçoes às leis penais O Sindicato dos Jornalistas participou hoje numa audiçao parlamentar na Comisssao de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias da Assembleia da República. Na ocasiao, apresentou um extenso documento que defende alteraçoes das leis penais centradas em quatro pontos: "1. A clara exclusao da ilicitude na revelaçao de matéria em segredo de justiça - actos processuais e documentos incluídos - quando se trate comprovadamente de denúncia de irregularidades e/ou atentados a direitos fundamentais e sem prejuízo da responsabilizaçao penal do jornalista, caso a pretendida denúncia venha a revelar-se calúnia infundada e infamante. 2. A previsao expressa do recurso, pelos tribunais, à intervençao pericial do órgao representativo dos jornalistas com competência na deontologia profissional, habilitando-os assim a melhor compreenderem as suas regras e práticas profissionais, tal como já acontece com outras actividades de especial complexidade. 3. A revisao do regime do sigilo profissional do jornalista, conferindo-lhe todas as garantias de que em circunstância alguma será obrigado a violar este dever. 4. A alteraçao do n.? 2 do Art.? 29.? da Lei de Imprensa, no sentido de reforçar o nível de responsabilidade dos órgaos de informaçao e de impor às empresas jornalísticas a responsabilidade civil solidária com o autor, uma vez que o jornalista é um elemento que se insere na estrutura organizativa da redacçao e nao pode admitir-se que a omissao do director ou do seu substituto venha premiar a empresa que o jornalista serve". Na mesma ocasiao, e a propósito de um projecto de resoluçao do Partido Socialista com vista à revisao do Código do Processo Penal, o SJ considerou que "a eventual transformaçao da garantia da confidencialidade das fontes num “direito residual” está ferida de “insanável inconstitucionalidade”, na medida em que subalterniza uma garantia constitucional “sem a qual nao há imprensa verdadeiramente livre”.

0 commentário(s)

Desenvolvimentos na TV interactivca: seminário em Lisboa O OBERCOM e a Ordem dos Engenheiros organizam em Lisboa, no próximo dia 22, um Seminário Internacional sobre os avanços e impactos na área da TV Interactiva. O programa da iniciativa ibnclui sessões dedicadas à tecnologia, conteúdos, aplicações e mercados. Para além das participações de investigadores e representantes de empresas e operadores portugueses do sector, terá a contribuição de dois especialistas internacionais desta área, que analisarão o desenvolvimento do MHP - Multimedia Home Platform (Georg Luetteke) e a importância da interactividade em televisão digital (Peter Looms). Local do encontro: auditórioda Ordem dos Engenheiros.

0 commentário(s)

X Congresso da AIND debate concentraçao nos media Porto Seguro é onde a AIND-Associaçao Portuguesa de Imprensa vai debater o financiamento da Imprensa, a regulação dos Meios de Comunicação Social e a concentração nas empresas do sector, no X Congresso da organizaçao que decorrerá de 2 a 9 de Maio próximo. Os trabalhos iniciam-se propriamente no dia 3, Dia Munidal da Liberdade de Imprensa. Na mesa sobre a regulaçao, apresentam intervençoes Luís Filipe Landerset, do OBERCOM e Johannes Laitenberger, da Direcção Geral da Educação e Cultura / Comissão Europeia. Já na sessao sobre concentraçao intervêm Augusto Mateus, consultor e ex-ministro da Economia, Eduardo Lopes Rodrigues, da Autoridade da Concorrência, e Paulo Fernandes, do grupo COFINA.

0 commentário(s)

VERBIX: um instrumento útil Verbix - um portal que permite conjugar automaticamente a partir de infinitivos mais de 117 línguas de todo o mundo. Oferece igualmente uma lista com os dez verbos mais conjugados de cada uma. Possui uma versao de shareware com várias outras funcionalidades (dica de MMLab)

0 commentário(s)

Dar uma entrevista e recusá-la a seguir A Alta Autoridade para a Comunicaçao considera nao ser correcto conceder uma entrevista a um órgao de comunicaçao social e, dpois, recusar que ela seja publicada. O caso passou-se entre o Presidente da Câmara de Castanheira de Pera e a rádio "Pampilhosa 97.8FM". Aquele deu a entrevista, mas, depois, eterá enviado uma funcionária comunicar oralmente que nao autorizava que fosse emitida. A rádio pediu uma posiçao à AACS que, numa deliberaçao datada do passado dia 10, e depois de tentar ao longo de nove meses ouvir sem sucesso a versao do visado, considera que "não seria aceitável que, sem fundamentação plausível, susceptível de ser apreciada em sede de recurso, que a opção de conceder uma entrevista fosse posteriormente cancelada, sob pena de tal comportamento poder configurar um acto selectivo e impeditivo do direito dos órgãos de comunicação a se informarem, “sem impedimentos nem discriminação”, conforme determina o normativo legal já referido". Acordo DECO-PT A Portugal Telecom anunciou hoje um acordo com a DECO, mediante o qual a assocaçao de defesa dos consumidores põe fim a um processo judicial â PT e operadora de telecomunicaçoes institui vantagens nao especificadas para os seus clientes. O acordo, na parte que à PT diz respeito, tem a ver com as queixas dos consumidores e a forma de as solucionar.

0 commentário(s)

Atrium blog Este novo blog de Luís Santos, da Universidade do Minho, tem um subtítulo que é um programa: "seremos também o que discutimos e a forma como o fazemos". Merece referência o primeiro post a sério: "Eleiçoes em Espanha: riscos do jornalismo".

0 commentário(s)

O "Estado do Jornalismo em 2004" nos EUA O estudo "The State of News Media 2004" do Projecto para a Excelência no Jornalismo, ligado à Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, a que o Público faz hoje referência, pode ser lido na sua integralidade AQUI. Trata-se de "an inaugural effort to provide a comprehensive look each year at the state of American journalism. Our goal is to put in one place as much original and aggregated data as possible about each of the major journalism sectors".

0 commentário(s)

Eleiçoes e Comunicaçao Social O Curso de Pós-Graduaçao sobre «Eleições e Democracia em Portugal e na Europa» a promover pelo Instituto de Ciências Sociais, da Universidade de Lisboa, inclui no programa um módulo sobre "Eleiçoes e Comunicaçao Social", a ser leccionado por Eduardo Cintra Torres e José Manuel Fernandes. O Curso decorre de 15 de Abril a 30 de Junho e é coordenado por Pedro Magalhães, Marina Costa Lobo e António Costa Pinto.

0 commentário(s)

O "El País" e os atentados de Madrid Como funciona uma redacção de um grande diário de referência quando, a alguns metros da sua sede, no início do dia, ocorre um horrendo atentado terrorista? Foi a esta questão que Malén Aznérez respondeu na sua coluna de "Defensora del lector", no El País de hoje, e da qual transcrevo alguns excertos: "¿Qué pasa en un periódico cuando al comenzar el día se sabe que, sólo a unos metros, ha habido un salvaje atentado terrorista con cientos de muertos y heridos? ¿Cómo se pone en marcha una maquinaria informativa que entre prisas, desconcierto, contradicciones, falta de datos fiables, nervios y angustia, pretende ofrecer una información rigurosa? ¿Cómo salvar los escollos de una terrorífica realidad que puede conducir con facilidad a la truculencia o sensiblería? Esta Defensora piensa que quizá les interese a ustedes, lectores, saber cómo funciona EL PAÍS en un momento así. Cómo se gestiona, contrarreloj y en medio de la incertidumbre, la información de un acto tan brutal, cómo surge una edición especial en dos horas y cómo se cambian los contenidos varias veces a lo largo del día. Pueden decir que ése es nuestro trabajo, lo mismo que el de los médicos, policías o bomberos en iguales circunstancias. Cierto. No se trata de ponernos estupendos, que diría Valle-Inclán, sino de contarles cómo trabajamos en momentos de confusión en los que son necesarias altas dosis de sangre fría, al tiempo que una fuerte empatía con los que sufren. Porque cuanto más sepan ustedes de nuestro funcionamiento mejor podrán valorar, y criticar, la información que llega a sus manos. (...) A las doce de la mañana la Redacción era un hervidero. Se preparaba una edición especial. Al margen de aportar una primera versión de los hechos, en estos casos se trata, más que nada, de acompañar a los ciudadanos, de decirles que no están solos en esos momentos difíciles y de desconcierto. Cien mil ejemplares que se venderán sólo en Madrid y Barcelona, porque el complicado proceso industrial del periódico no permite llegar a tiempo al resto de España. Serán 72 páginas, 21 de ellas dedicadas al atentado, con las primeras imágenes de heridos y muertos. Un editorial que arranca en la portada y que, por las prisas, citará en algún momento a "las víctimas mortales de ayer". Es la fuerza de la costumbre de referirse siempre al día anterior. Los articulistas, Javier Pradera, Josep Ramoneda y Rogelio Alonso, han contado sólo con una hora para escribir su artículo. Llamada del presidente El titular de portada a cinco columnas es contundente: Matanza de ETA en Madrid. ¿En qué se basaba EL PAÍS para afirmar tal cosa si todavía el ministro del Interior no lo había confirmado? Muy sencillo. Al margen de distintas fuentes de Interior que así lo habían asegurado, el presidente del Gobierno, José María Aznar, había llamado al director del periódico, Jesús Ceberio, para confirmar esta autoría. La última página lleva una foto impresionante, firmada por Pablo Torres Guerrero, un fotógrafo profesional que no pertenece a la plantilla de EL PAÍS. Un redactor de Deportes, Carlos Arribas, que vive enfrente de la estación de Atocha, tras oír las explosiones llegó en los primeros momentos a las vías del tren, cuando ni siquiera había policías o bomberos. Le vio haciendo fotos en medio del caos general y le preguntó para quién trabajaba. La respuesta fue: "Para EL PAÍS". Y Arribas se lo trajo del brazo al periódico. El fotógrafo viajaba, como todos los días, en un tren que se cruzó con el del atentado. Se bajo y comenzó a disparar la cámara, "sin fijarme, sin mirar casi, por la impresión que tenía", diría luego. Resultado, entre otras, una foto espectacular que ocupó casi toda la contraportada de la edición especial y que, valorada con un poco más de calma, pasaría a la portada del periódico del viernes. Una vista general del tren y los heridos tirados en las vías, atendidos en los primeros momentos por otros pasajeros o vecinos voluntarios, que reflejaba el dramatismo, dolor y caos de la situación. Fotografía que, solicitada al diario, también publicarán en portada periódicos de todo el mundo. (...) Al terminar con la edición especial hay una reunión de la dirección con los redactores jefes para coordinar el trabajo del día. Habrá 45 páginas dedicadas a la masacre. El subdirector del periódico Vicente Jiménez, responsable de toda la información del atentado, no recuerda un despliegue similar para una noticia. "Están trabajando en ella casi 100 periodistas, más los alumnos del master. No puedo hablar d el 23-F, era demasiado joven, pero al 11-S le dedicamos bastantes menos páginas". Tiene razón Jiménez. En el 11-S fueron 26 páginas, y 12 en aquel 23-F que no puede recordar. Hipótesis Al Qaeda (...) En esos momentos el sistema informático del periódico se estropea. Los nervios afloran, la escritura se interrumpe. Se forman corrillos en los que no faltan imprecaciones de todos los gustos. "Esto pasa de vez en cuando, el sistema se ha bloqueado, son sólo unos minutos", dice un responsable del equipo informático. Pero media hora después el sistema continúa bloqueado. Entonces ya se sabe que un grupo ligado a Al Qaeda ha reivindicado el atentado en el diario Al Quds al Arabi, que se edita en Londres. El ministro del Interior afirma poco después que no se descarta esa hipótesis de trabajo, ya que han encontrado una furgoneta con detonadores y una cinta con versículos del Corán. El presidente del Gobierno vuelve a llamar al director del periódico para ratificarle su convicción de que el atentado es obra de ETA. Pero la autoría del atentado no está ya tan clara y es necesario volver a revisar todos los textos cuando la primera edición está prácticamente lista. Se cambian los titulares. Se eliminan las siglas de ETA y se sustituye la autoría por un más genérico "matanza terrorista en Madrid". Hay que revisar también las entradillas y las informaciones donde se daba como segura la participación de ETA." Julgo tratar-se de um documento de grande importância para entender o que se passou nas primeiras horas após o atentado de Madrid, para entender como lida um jornal com a pressão do tempo e da necessidade de informar e para entender como lidam os políticos com a comunicação social. Texto completo de Malén Aznárez aqui.

0 commentário(s)

Algumas notas sobre os últimos dias * Participei, na sexta-feira, na impressionante manifestaçao de Barcelona, de solidariedade com as vítimas do terrorismo e de afirmaçao de cidadania na recusa absoluta do terrorismo, venha ele de onde vier. Cheguei uma hora antes e já nao consegui sair do sítio em que me encontrava, a meio do Passeig de Gràcia, até quase uma hora depois de a manifestaçao ter oficialmente terminado. De resto, a "capçallera" ou frente do desfile praticamente nao chegou a deslocar-se porque todo o trajacto e em especial o ponto de destino, a Plaça Catalunya, estavam completamente pejadas de gente. O silêncio, interrompido pelas palmas ritmadas, as maos erguidas ao alto, tonaram a liturgia um momento único. * Como aqui escrevi na sexta-feira, a autoria do atentado converteu-se numa questao central, de que já se registaram sintomas, nos dizeres de cartazes fotocopiados que foram distribuídos nas manifestaçoes (nao só na de Barcelona, como pude verificar, o que significa que alguma(s) das organizaçoes envolvidas fez/fizeram "trabalho de casa". Foi o caso do slogan "Nao ao terrorismo, nao à guerra". * O dia de ontem foi particularmente tenso, à medida que se caminhava para o fim da tarde. Os principais partidos procuraram manter a dignidade, quando ainda se enterravam as vítimas do massacre e muitos feridos se encontram em estado grave em diversos hospitais. Mas a percepçao de que pode ter havido gestao de informaçao por parte do Governo, no sentido de orientar uma leitura determinada dos acontecimentos, levou a que aquele que era o dia de reflexao da campanha eleitoral se fosse tornando insuportável. * Há muitos elementos que foram saltando para o domínio público que dao crédito à tese de que desde muito cedo o Governo de Aznar tinha na sua posse determinado tipo de informaçoes que pelo menos o obrigava a ser comedido no endereçamento das responsabilidades. Mas quem ouviu, na quinta-feira, a meio do dia, o ministro do interior na televisao (chamando nomes feios a quem se atreveu a duvidar de que tivesse sido a ETA) e veio a saber, depois, que Acebes já dispunha de uma série de dados que aponmtavam noutros sentidos, nao pode deixar de ficar perplexo. * Há aqui um risco de obscenidade que se corre - ou mais grave ainda - de instrumentalizaçao do terrorismo para fins político-partidários. Fiquei com a impressao de que só um inquérito em profundidade a realizar nos próximos tempos, permitirá esclarecer devidamente o que se passou. Uma coisa é certa: os jornalistas, alguns deles, fizeram nestes dias um trablho notável de investigaçao.

0 commentário(s)

Fundaçao norte-americana organiza curso de jornalismo em português O Knight Center for Journalism in the Americas aceita até 24 deste mês inscriçoes para 15 vagas para aquele que é o seu primeiro curso de formaçao em português, o qual abordará técnicas de CAR - Compututer- Assisted Reporting. O curso prolonga-se por cinco semanas e tem início a 5 de Abril. Serao seleccionados profissionais interessados em apredner e dominar técnicas que os habilitem a utilizar a Internet para investigaçao jornalística e o uso de programas de computador necessários à criaçao de bases de dados. O monitor será o jornalista José Roberto Toledo, director da Associaçao Brasileira de Jornalismo de Investigaçao.

0 commentário(s)

Galiza acolherá três encontros europeus de animaçao audiovisual Os encontros internacionais Cartoon Future e Cartoon Forum, bem como das jornadas formativas Mundos Digitais terao lugar no Museu de Belas Artes da Coruña (Galiza) de 22 a 24 de Abril, segundo informaçao veiculada pelo Colegio Profissional de Jornalistas da Galiza.

0 commentário(s)

Fotografias polémicas do massacre de Madrid O uso (e abuso) de fotos chocantes dos mortíferos atentados de quinta-feira, em Madrid, por parte de televisoes e jornais, está a levantar polémica em alguns sectores. Neste contexto, a peça que oPúblico traz hoje, intitulada "Jornais Britânicos Retocaram Fotografia dos Atentados em Madrid" nao deixa de ser curiosa, pelos argumentos que aduz e pelos que encerra, mas nao explicita. Um assunto a continuar a acompanhar. Entretanto, vale a pena olhar comparativamente a reproduçao das primeiras páginas de ontem de algumas dezenas de jornais, que o Newseum juntou(obrigado ao PontoMedia pela dica)

0 commentário(s)

Rebecca Blood: já saiu o livro Já foi publicado o livro de Rebecca Blood intitulado "Livro de Bolso do Weblogue", segundo a Campo das Letras que se encarregou de o traduzir (a informaçao da Editora refere sempre "Livro de Bolso DA Weblog", mas suponho que será lapso. Refere ainda uma definiçao de weblogs que é, nomínomo,original: "Os Weblogues, actualizados regularmente, produzidos de forma independente e curiosamente viciantes, são hoje os sítios mais populares da Web").

0 commentário(s)

Os media e a cobertura dos atentados terroristas O mesmo texto de Juan Luís Cebrian contém igualmente reflexoes oportunas sobre o papel dos media na cobertura do terrorismo: "En medio de esa reflexión global a la que nuestros ciudadanos tienen derecho, y mientras se aclaran la autoría y circunstancias del salvaje ataque, los medios de comunicación no podemos permanecer ausentes ni llamarnos a andana. Sabemos desde hace tiempo que si hay algo que caracterice a los movimientos terroristas de cualquier signo es su deseo de notoriedad o de publicidad de sus actos. Umberto Eco ha llegado a afirmar que "el terrorismo es un fenómeno de la época de los medios de comunicación de masas. Si no hubiera medios masivos no se producirían estos hechos destinados a ser noticia". Cualquier interpretación de lo que sucede que se aparte de esa comprensión no contribuirá a facilitar la búsqueda de soluciones. La sociedad mediática es, por lo mismo, aliada principal y víctima preferente del terrorismo moderno, pues de lo que éste trata es de someter a la opinión pública a la dictadura del terror, la desconfianza y el miedo. A la luz de semejantes consideraciones, y al margen cualquier otra responsabilidad de los dirigentes políticos, los periodistas nos tenemos que preguntar sobre la nuestra propia. La Asamblea del Consejo de Europa, en una resolución de 1979 estableció que "los medios de comunicación, cuando dan cuenta de acciones terroristas, deben aceptar un cierto autocontrol para establecer un justo equilibrio entre el derecho público a la información y el deber de evitar ayudar a los terroristas". Líderes tan dispares como Margaret Thatcher o Felipe González han pedido que no se proporcione al terrorismo "el oxígeno de la publicidad", en palabras de la antigua primera ministra británica. Siempre he pensado que eso nos obliga a los medios a tratar el fenómeno terrorista con idéntico o mayor rigor, profesionalidad y deseo de servir a la verdad que debe animarnos en cualquier otra instancia. Una regla de oro es la comprobación de datos y la preocupación por servir el interés de quienes nos leen y nos escuchan. Y me pregunto, demasiadas veces lo he hecho, si desde ese punto de vista es lícito y lógico que la imagen de dos indeseables encapuchados haya inundado durante días las pantallas de nuestras televisiones, poniendo en jaque a nuestra joven democracia. La utilización sectaria del dolor de las víctimas y sus allegados, el recurso a la truculencia, con desprecio a los derechos inalienables de quienes padecen más directamente la agresión letal de esos criminales, la repetición innecesaria de imágenes que reiteran la desolación y el dolor en que se ven sumidos tantos ciudadanos, son otros ejemplos de deformaciones en las que incurrimos los medios de comunicación."

0 commentário(s)

Terrorismo da ETA ou dos radicais islâmicos? A pergunta paira como um pesadelo sobre a actualidade espanhola. Seja de quem for o terror, merece sempre a mesma resposta. Mas, em termos políticos, cresce a sensaçao de que se possa saber mais do que vem a público. O assunto é motivo de conversas em diferentes meios. E hoje, no jornal El País, Juan Luís Cebrián dá-lhe voz pública, num importante texto intitulado "Terrorismo en el Pozo": "(...) Los atentados en cadena cometidos ayer superan con creces, en crueldad y miseria moral, a cuantos nuestro país ha padecido hasta ahora. (...) La eventualidad de que el atentado sea obra de grupos fundamentalistas islámicos ligados a Al Qaeda flotó ayer como un fantasma en todos los comentarios de los círculos políticos y periodísticos. El gobierno fue rotundo en sus desmentidos a este respecto, aunque ni el rey ni el presidente del gobierno citaron a ETA en sus primeras alocuciones al país. Si se confirma que hay elementos del radicalismo islámico ligados a los hechos, será también lícito sospechar que se ha manipulado la información desde instancias oficiales. La bárbara presión a la que el terrorismo etarra ha sometido a este país durante décadas explicaría, en cualquier caso, la inmediata atribución a sus bandoleros de los hechos de ayer por parte de las autoridades, incluidas las del gobierno de Vitoria. Por lo demás, el análisis político de un ataque de Al Qaeda a nuestro país y a Europa conllevaría consideraciones añadidas muy preocupantes, habida cuenta del protagonismo de José María Aznar y su gobierno en la reunión de las Azores que decidió la invasión de Irak. Pero incluso si ETA no hubiera estado detrás de los atentados, la condena de sus métodos criminales y las reflexiones sobre el comportamiento de nuestra sociedad frente al fenómeno terrorista continuarían vigentes."

0 commentário(s)

Há títulos que dizem tudo Há títulos em que tudo o que vem para além deles nao será desperdício, mas pouco mais é do que complemento secundário. É o caso de um que vem hoje em La Vanguardia. A primeira página é, claro, sobre a barbárie de Madrid: "11-M en Madrid". Mas na última página vem aquela que é certamente uma pequena pérola do jornalismo: em cima, a toda a largura da primeira página, uma grande foto da parte superior da frontaria do Ayuntamiento de Barcelona com a bandeira de Espanha flutuando, ladeada por duas bandeiras da Catalunha. Por baixo, o título: "Catalunha, capital Madrid". A força das palavras é ainda maior, quando nos lembramos que a ETA procurou, nas últimas semanas, dividir precisamente a Catalunha do resto do Estado espanhol e que essa crispaçao foi um dos motes da subitamente interrompida campanha eleitoral.

0 commentário(s)

Alberto Bessa e a reflexao sobre o jornalismo Já há uns dias que nao visitava Indústrias Culturais, um dos blogs de Rogério Santos. E verifico que é sempre útil tal visita. Dos últimos dias, retenho a informaçao de uma nova tese de mestrado sobre telenovelas e a notícia (que nao vi em mais lado nenhum) dos cem anos da conferência (no mesmo ano de 1904 publicada em livro) do jornalista do DN Alberto Bessa, intitulada "O jornalismo. Esboço histórico da sua origem e desenvolvimento até aos nossos dias".

0 commentário(s)

Pais do Amaral quer um provedor Adaptando uma notícia escrita por Susana Salvador e publicado pelo DN:

"A criação da figura do provedor do telespectador da TVI, o combate aos abusose a promessa de retomar o projecto de uma televisao de qualidade (...) são alguns dos objectivos que Miguel Pais do Amaral pretende cumprir (...) «O telespectador necessita de um digno representante dos seus direitos e garantias», disse o «patrão» da TVI ontem, durante a apresentação da candidatura, em Lisboa. Miguel Pais do Amaral justifica a criação da figura do provedor com a «evidente ausência de uma entidade a quem o telespectador se possa dirigir para reclamar ou obter esclarecimentos legais e informar-se de competências e responsabilidades».
Afinal, "Pais do Amaral quer criar provedor [sim, mas] do automobilista", no quadro da sua candidatura a presidente do Automóvel Clube de Portugal. As partes a negrito foram, obviamente adaptadas, para chamar a atençao para um repto que já tem sido lançado ao canal que controla: a criaçao da figura do provedor do telespectador. Seria uma ideia interessante como referência para a "conduçao" dos telespectadores.

0 commentário(s)

Cobertura dos atentados em Madrid O diário El País saiu com uma ediçao especial sobre o massacre terrorista dos combóios, esta manha, a qual foi para as bancas a partir do meio dia (11 em Portugal). Ao mesmo tempo, o jornal decidiu desbloquear o acesso do site a todos os utilizadores, sejam ou nao assinantes. Recorde-se que as últimas estimativas apontam para um número superior a 170 mortos e mais de 600 feridos, alguns deles em estado muito grave. A consternaçao é geral, pelo que me posso aperceber, aqui em Espanha. Na Universidade em que me encontro, as aulas foram suspensas a meio da manha, em sinal de luto e as cantinas, que dispoem de televisor, estavam repletas de estudantes e professores, que seguiam as emissoes especiais das diferentes estaçoes. (cartoon: Forges)

0 commentário(s)

Retoma do sector O Diário Económico de hoje publica um dossier sobre a retoma económica dos media em Portugal.

0 commentário(s)

Atentados de Madrid seguidos e comentados em blogs O eCuaderno disponibililza um "news feed" baseado nas notícias do Google. Por sua vez, o site noticias.dirson.com faz um apanhado dos blogs que já trataram o assunto dos atentados terroristas nos comboios surbanos de Madrid.

0 commentário(s)

Apresentado o mais recente Almodôvar Pelo menos quanto ao tema, o mais recente filme de Pedro Almodôvar, La mala educacion, fez-me lembrar Vergílio Ferreira e a Manha Submersa, ou o Clube dos Poetas Mortos, de Peter Weir. "La mala educación - refere o site da TeleCinco - tiene dos tiempos en los que se desarrolla la acción, el primero en los años 60 en el que todo transcurre bajo la castidad y los abusos que se cometen en un colegio religioso, y el segundo momento transcurre en los años 80 rememorando la movida que caracterizó a esta década y a la que estamos acostumbrados en las películas de Almodóvar".

0 commentário(s)

Pago para escrever um blog Leio no E-Media Tidbits: Kevin Drum, autor do blog Calpundit, acaba de ser contratado para blogger da revista Washington Monthly. "Not much is going to change, though. There will be a new URL, but it's still going to be me blogging about whatever I feel like, although hopefully with more opportunity to do a bit of reporting here and there and to make a few contacts I otherwise couldn't", escreve Drum.

0 commentário(s)

"Provedor Alternativo" É um blog que se propoe como "Espaço de reflexão sobre a actividade jornalística" e chama-se "Provedor Alternativo". Iniciou as suas actividades em finais de Janeiro. Vale a visita.

0 commentário(s)

"Em defesa do empréstimo público nas bibliotecas portuguesas" O Conselho Directivo Nacional da Associaçao Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas decidiu associar-se ao movimento internacional em defesa do empréstimo público nas Bibliotecas, promovendo uma petição on-line que acaba de ser colocada ao dispor dos interessados para leitura e eventual subscriçao. Refere a introduçao ao Manifesto sobre o assunto, em que se explica a razao de ser do abaixo-assinado: "A Comissão Europeia, a 16 de Janeiro de 2004, decidiu pedir a formalmente informações a Espanha, França, Itália, Irlanda, Luxemburgo e Portugal no que se refere à aplicação a nível nacional do direito de comodato público harmonizado nos termos da Directiva 92/100/CEE relativa ao direito de aluguer, ao direito de comodato e a certos direitos conexos aos direitos de autor em matéria de propriedade intelectual. Isto significa que há o risco de ser instituída uma taxa sobre o empréstimo de livros e outros documentos nas bibliotecas portuguesas, sejam elas públicas, escolares, universitárias ou outras. Num país como Portugal, em que as dificuldades económicas e os incipientes hábitos de leitura dificultam o acesso de vastos sectores da sociedade ao conhecimento e à cultura, uma medida dessa natureza seria catastrófica, asfixiando os trabalhos em curso de promoção da leitura e constituindo um passo na direcção errada, no caminho da requalificação dos portugueses, para enfrentarem com sucesso os desafios da designada sociedade do conhecimento. Estas medidas acabariam por «matar a galinha dos ovos de ouro» com efeitos nefastos para os próprios autores. As bibliotecas, caso tenham de desviar parte do seu orçamento para o pagamento de taxas por empréstimo, começariam a adquirir menos livros. Os autores deixariam de contar com as bibliotecas para divulgar as suas obras. Deixariam de contar com as bibliotecas para adquirir as suas obras. No mercado livreiro português, com tiragens que raramente ultrapassam os 3000 exemplares, as bibliotecas representarão, em muitos casos, pelo menos 10% das vendas. Acompanhando o movimento europeu de contestação a esta tomada de posição da Comissão Europeia, a Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas – BAD, solicita a divulgação / e apoio ao presente manifesto, exigindo ao Governo de Portugal que mantenha as isenções relativas a Bibliotecas, Arquivos e Museus, contempladas no Decreto-lei nº 223/97, de 27 de Novembro."

0 commentário(s)

"France Soir" plagiou reportagem de "Le Monde" A revelaçao é do "Le Canard Enchainé": o jornal "France Soir" plagiou recentemente, "palavra por palavra", uma reportagem sobre as mesquitas dos arredores de Paris, publicada há cerca de dois anos pelo jornal "Le Monde". O director do "France Soir", um jornal que vive dificuldades económicas, já reconheceu o erro, pedindo desculpas públicas pelo facto. Segundo ele, nunca havia suspeitado de que os dois colaboradores que assinaram a peça pudessem ter recorrido ao plagiato. (Fonte: El Mundo)

0 commentário(s)

World Wide Web: primeira ideia há 15 anos Faz este mês 15 anos que Tim Berners-Lee, o inventor da WWW, começou a esboçar a ideia de uma rede de redes à escala planetária. Entao a trabalhar no CERN, elaborou uma proposta, só apresentada mais de um ano depois, que constituía, segundo o autor, "an attempt to persuade CERN management that a global hypertext system was in CERN's interests". Está visto que nao era só do interesse do CERN. A gravua que figura na proposta inicial:

0 commentário(s)

"Editor & Publisher" entrevista Jayson Blair Com base em perguntas colocadas por leitores, a "Editor & Publisher" publicou ontem uma extensa entrevista com o ex-jornalista do New York Times Jayson Blair, na qual explica algumas das peripécias que conduziram^`a sua saída do jornal e ao conteúdo do livro "Burning Down My Masters' House", há dias lançado nos EUA. Um curto extracto: "Q: Someone wants to know: Would you step into an elevator with Howell Raines? A: Yes. Q: What would you say to him? A: First, that I am sorry. There's no way Howell could have known what I was doing, there is no way Howell was responsible for my actions, and I'd probably wish him well and wish his wife well and his kids well, and apologize. Q: But in your book you say your actions did not cause his exit at the Times? A: There was a certain environment at the Times, a lot of pressure on the paper to change, to become faster-paced, and Howell was leading this charge. And it ruffled a lot of feathers and created an environment that was not comfortable for a lot of people. If that environment did not exist, my actions would not have fermented this into something that would boil this big -- forgive my mixed metaphors!"

0 commentário(s)

Polarizaçao de tendências na comunicaçao mundial No último En.red.ando, vem o artigo de Omar Villota "Sistema mundial de comunicación: la divergencia entre la comercialización cultural y las redes ciudadanas", que defende: "El nuevo sistema mundial de comunicación se está desarrollando mediante la polarización de tendencias caracterizadas por una comercialización de la cultura conectada a través de Internet y por un proyecto de deliberación pública gestado desde la cibercultura que orienta la toma de decisiones ciudadanas. Si se quiere, es posible entender esta divergencia desde el pensamiento de José Manuel Pérez Tornero, director del Gabinete de Comunicación y Educación de la Universitat Autònoma de Barcelona, al afirmar que el sistema mundial de comunicación oscila entre Microsoft y Berners-Lee."

0 commentário(s)

Associação de Jornalistas Tunisinos expulsa da FIJ A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) decidiu excluir a Associação de Jornalistas Tunisinos (AJT) do seu conjunto de associados, após esta ter entregue um prémio de liberdade de imprensa ao presidente Zine el-Abidine Ben Ali, segundo informaçao veiculada pelo Sindicato dos Jornalistas. A decisao foi tomada na sequência da decisao da AJT de atribuir o prémio "pluma de ouro" da liberdade de imprensa ao Presidente do país, presidentee sse que vem sendo acusado de cercear a mesma liberdade no país. Este fato acontece escassos dias depois de se terem iniciado em Tunes as primeiras reunioes exploratórias para a organizaçao da segunda fase da Cimeira Mundial da Sociedade da Informaçao, que terá lugar naquela cidade, de 16 a 18 de Novembro de 2005.

0 commentário(s)

III Encontro de Estudantes de Jornalismo Decorrerá de 26 a 28 deste mês o III Encontro de Estudantes de Jornalismo e Comunicaçao (supoe-se que em Coimbra, porque estes estudantes esqueceram-se de um elemento básico da notícia: ONDE). O programa tem já uma versao na web. A iniciativa debaterá aspectos como o Euro2004, o segredo de justiça, a liberdade de imprensa e as fugas de informaçao, a Guerra do Golfo, a ligaçao entre a política e o marketing, as "cada vez mais inovadoras tácticas publicitárias e a (in)dependência da comunicaçao social".

0 commentário(s)

Conferência internacional sobre a concentraçao nos media "Concentration of media ownership and its impact on media freedom and pluralism" é o tema de uma conferência regional que terá lugar em 11 e 12 de Junho práximo, na cidade de Bled, na Eslovénia, por iniciativa do Conselho da Europa e da South-East European Network for Professionalisation of the Media. Mais informaçoes: AQUI.

0 commentário(s)

"Nao estamos diante de uma actividade vulgar" Os defensores de um diploma de ensino superior em Jornalismo para o exercício da profissao, no Brasil, acabam de ganhar um aliado de peso, segundo o último número do Jornal Brasileiro de Ciências da Comunicaçao: nada menos do que o Procurador-Geral da República. Em parecer sobre um recurso relacionado com uma recusa de concessao de carteira profissional a uma consultora de moda, refere: "É plenamente admissível que a Administração Pública determine certas balizas a serem observadas na admissão do ingresso do particular em certas atividades. Ao declarar uma notícia, se mal formulada ou equivocada, o jornalista pode gerar grave comoção social ou danos de severa monta. Não estamos diante de uma atividade vulgar, que prescinde de conhecimentos técnicos. Banalizar a questionada profissão a ponto de considerar que não merece regulamentação específica é desmerecer a realidade comum dos fatos".

0 commentário(s)

Cineastas espanhois criam facto político na campanha eleitoral Como é que os cineastas espanhois vêem o país em que vivem e trabalham? Nada menos de 32 de entre eles resolveram dizê-lo através de outras tantas curtas metragens de três minutos cada uma. O resultado tornou-se um dos factos políticos da presente campanha eleitoral para as legislativas do país vizinho, já que os canais nacionais nao aceitaram emitir este trabalho (apenas a TV3, da Catalunha, anuncia ir fazê-lo, mas depois do acto eleitoral). A produtora envolvida refere hoje no jornal El Mundo que recebeu já mais de 600 pedidos de difusao dos mini-filmes. Este jornal, assim como a produtora ("Hay Motivo") disponibilizam no seu site o acesso ao visionamento da totalidade dos trabalhos dos cineastas.

0 commentário(s)

Mais de mil canais de TV na Europa Quantas televisoes emitem na Europa? Quantas emitem com raio de acçao que vai muito para lá das fronteiras dos estados? E como foi a evoluçao nas últimas décadas? Um artigo de La Vanguardia dá-nos alguns elementos para responder às perguntas: "Al empezar la década de los noventa había 103 y ya parecían muchas. Ahora, catorce años más tarde, Europa se ve invadida de cadenas de televisión: hay casi 1.100 en actividad, cifra que llega hasta unas 3.000 si se contabilizan las de carácter local (que cubren solamente barrios de ciudades o pequeñas poblaciones). De ese total, son 200 las que emiten sin fronteras, es decir, que su recepción no se limita al país de origen sino que pueden ser captadas en otros países distintos del de su origen." A razao imediata do texto do diário espanhol é que a proliferaçao de canais transfronteiriços começa a preocupar alguns governos, como é o caso dos da Áustria, Irlanda e Suécia. A Comissao Europeia defende a “televisao sem fronteiras” e que os canais apenas deverao responder pela legislaçao do país de onde sao emitidos os programas. Mas países como por exemplo o Luxemburgo, em que mais de 80 por cento das suas emissoes chega de fora começam a inquietar-se com o impacte desta nova realidade na identidade nacional.

0 commentário(s)

LATimes: nove nomeaçoes para os Pulitzer Fontes que o site da Editor & Publisher dá como seguras indicam que o jorrnal Los Angeles Times terá este ano nove nomea?çes para os prémios Pulitzer nas diferentes categorias de jornalismo, liderando destacado a lista com os meios de ocmunicaçao social.

0 commentário(s)

IAMCR reúne em Porto Alegre Abrem hoje as inscriçoes para a próxima conferência internacional da IAMCR (International Association of Media and Communication Reserach) que se realiza em Porto Alegre, Brasil, de 25 a 30 de Junho próximo, sob o tema "Communication and Democracy: Perspectives for a New World". Português, ingl?ê, francês e espanhol sao as ínguas oficiais da iniciativa. Uma ideia do programa das sessoes plenárias pode ser consultado AQUI.

0 commentário(s)

Em cada dez jornalistas, quatro sao mulheres 2004: 2783 - 39.1% (de um total de 7.117 jornalistas) 1997: 1394 - 32.8% (de um total de 4.247 jornalistas) 1987: 254 - 19.8% (de um total de 1.281 jornalistas) (dados da Comissao da Carteira Profissional dos Jornalistas, divulgados pela agência Lusa e citados pelo Público. Este jornal conclui: "Em menos de 20 anos, o número de mulheres aumentou cerca de 20 por cento". Será? Alguém explica como se chega a essa percentagem de aumento?)

0 commentário(s)

Para lá do DN "Em nome do rigor" escreve hoje Estrela Serrano a sua coluna de Provedora dos Leitores do DN. Nao pretendo comentar a matéria em questao. Mas creio que as colunas da Provedora, a da semana passada e a de hoje, bem como as notas da Direcçao e do Conselho de Redacçao, devem ser lidas como algo mais do que uma mera discordância entre Estrela Serrano e os dois órgaos do DN. É positivo ver um jornal discutir nas suas páginas as suas práticas e opçoes. E a questao pode ser alargada: que práticas predominam na ediçao e publicaçao / emissao da informaçao produzida pelos jornalistas?

0 commentário(s)

"Televisão do nós e televisão do eu" Eduardo Cintra Torres acaba de publicar na "Análise Social" o artigo "Televisão do nós e televisão do eu - a encruzilhada da televisão generalista". A importância do texto é tanto maior quanto são escassos os artigos que esta revista científica de sociologia tem dedicado ao fenómeno mediático e televisivo. Refere o resumo: "Com base em dados audimétricos, o autor procura explicar a quebra do interesse pela televisão generalista numa 'socieddae dos indivíduos' e do 'eu múltiplo' que origina audiências difusas. A televisão generalista, correspondente ao uma 'sociedade do nós' ? crescentemente preterida em favor de uma televisão fragmentada, mais identificada com a 'sociedade do eu'"

0 commentário(s)

Quem somos

» Manuel Pinto
» Helena Sousa
» Luis Antonio Santos
» Joaquim Fidalgo
» Felisbela Lopes
» Madalena Oliveira
» Sara Moutinho
» Daniela Bertocchi
» Sergio Denicoli

» E-MAIL

Últimos posts

» "Jornalismo e Comunicação" mudou de casa
» Revendo 2006
» Fundador do Technorati, ao vivo, sobre a blogosfer...
» Webrádio tema de tese de mestrado
» Jornalismo na blogosfera...
» Sobre o futuro das comunicações e dos media
» TV por Internet e telemóvel
» O peso do marketing nas receitas dos diários
» Da ficção à realidade
» "Nem um crítico de rádio"

Ligações


Arquivos

» Abril 2002
» Maio 2002
» Junho 2002
» Julho 2002
» Agosto 2002
» Setembro 2002
» Outubro 2002
» Novembro 2002
» Dezembro 2002
» Janeiro 2003
» Fevereiro 2003
» Março 2003
» Abril 2003
» Maio 2003
» Junho 2003
» Julho 2003
» Agosto 2003
» Setembro 2003
» Outubro 2003
» Novembro 2003
» Dezembro 2003
» Janeiro 2004
» Fevereiro 2004
» Março 2004
» Abril 2004
» Maio 2004
» Junho 2004
» Julho 2004
» Agosto 2004
» Setembro 2004
» Outubro 2004
» Novembro 2004
» Dezembro 2004
» Janeiro 2005
» Fevereiro 2005
» Março 2005
» Abril 2005
» Maio 2005
» Junho 2005
» Julho 2005
» Agosto 2005
» Setembro 2005
» Outubro 2005
» Novembro 2005
» Dezembro 2005
» Janeiro 2006
» Fevereiro 2006
» Março 2006
» Abril 2006
» Maio 2006
» Junho 2006
» Julho 2006
» Agosto 2006
» Setembro 2006
» Outubro 2006
» Novembro 2006
» Dezembro 2006
» Janeiro 2007

Livros

TV do futebol

» Felisbela Lopes e Sara pereira (orgs) A TV do Futebol; Porto: Campo das Letras

» Televisão e cidadania. Contributos para o debate sobre o serviço público. Manuel Pinto (coord.), Helena Sousa, Joaquim Fidalgo, Helena Gonçalves, Felisbela Lopes, Helena Pires, Luis António Santos. 2ª edição, aumentada, Maio de 2005. Colecção Comunicação e Sociedade. Campo das Letras Editores.

» Weblogs - Diário de Bordo. António Granado, Elisabete Barbosa. Porto Editora. Colecção: Comunicação. Última Edição: Fevereiro de 2004.

» Em nome do leitor. As colunas do provedor do "Público". Joaquim Fidalgo. Coimbra: Ed. Minerva. 2004

» Outras publicações do CECS

Eventos

» Conferência: A Nova Entidade Reguladora no quadro das políticas de Comunicação em Portugal (2006)

» I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia (2005)

» Jornadas ?Dez Anos de Jornalismo Digital em Portugal: Estado da Arte e Cenários Futuros? (2005)

» Todos os eventos







Subscribe with Bloglines


Technorati Profile Powered by Blogger and Blogger Templates